2023

País economizará 6,3% de energia

País economizará 6,3% de energia
24/01/2014 00:00 - Agência Brasil


O estudo divulgado ontem (23) pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE) com a atualização das premissas básicas e as previsões para o consumo de energia elétrica nos próximos dez anos, e que prevê um aumento médio da demanda de 4,3% ao ano no período, indica que a eficiência energética no período permitirá ao país uma economia de 6,3% no consumo na rede em 2023 – o equivalente a 53 terrawatts-hora (TWh).

A economia equivale, segundo a EPE, à produção de energia das hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau, no Rio Madeira, em Rondônia, e que têm potência instalada superior a 7 mil megawatts (MW).

Entre as iniciativas na área de eficiência energética, a EPE destacou a proibição da comercialização de lâmpadas incandescentes e a expansão do uso de energia solar térmica.

O estudo projeta ainda crescimento em torno de 6% para a autoprodução de energia - geração de eletricidade pelo consumidor a partir de instalações próprias de geração, localizadas em unidades de consumo - e que, portanto, não utiliza a rede elétrica das concessionárias de transmissão/distribuição.

As estimativas da EPE indicam que a participação da autoprodução da geração de energia no país passará dos atuais 10% em 2013 para 11,5%, em 2023.

A empresa esclareceu no estudo que a taxa de crescimento da energia gerada a partir da autoprodução foi reduzida em relação a estudos anteriores devido “à atualização de cenários de evolução de novas cargas industriais, principalmente os relativos ao setor siderúrgico e, em menor medida, ao setor de celulose”.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".