Campo Grande - MS, sexta, 17 de agosto de 2018

CAMPO GRANDE

Ovos da Páscoa variam até 80%; pescado e bacalhau, 68,42%

1 ABR 2011Por EDIVALDO BITENCOURT00h:02

Consumidores de Campo Grande devem ficar atentos para não gastar demais e sem necessidade na hora de comprar bombons e ovos de chocolate nesta Páscoa. Pesquisa do Procon, realizada em 10 estabelecimentos nos dias 28 e 29 do mês passado, constatou variação de até 80% nos preços dos produtos nos supermercados, atacadistas e lojas da Capital.

Confira a pesquisa sobre ovos de páscoa

Confira a pesquisa sobre bacalhau e pescados

A maior diferença está nos preços do ovo de Páscoa Sonho de Valsa, número 20, da Lacta, que custa R$ 22,50 no Atacadão. No entanto, se comprar no impulso, o campo-grandense pode pagar até 80,40% mais pelo produto na Rede Econômica, onde é vendido a R$ 40,59. Com a economia, o consumidor pode adquirir um Serenata Balls 15, da Garoto, que custa R$ 15,59 no Makro. Mas o mesmo ovo de chocolate está 52,34% mais caro no Extra, onde é comercializado por R$ 23,75.

Os produtos com maior variação são da marca Lacta, conforme o levantamento divulgado ontem pela Superintendência Estadual de Orientação e Defesa do Consumidor.

Crianças

Os pais, tios e padrinhos devem ficar atentos ao comprar os ovos com brinquedos para os pequenos. Um mimo do Ben 10, número 20, da Lacta, por exemplo, tem variação de 70,14%, com o valor oscilando entre R$ 28,50, no Atacadão, e R$ 48,49, na Rede Econômica.

O presente para as meninas também pode ficar até 74,42% mais salgado se o pai não andar um pouco mais para pesquisar o preço. O ovo de chocolate da Hello Kitty, número 20, custa R$ 27,80 no Atacadão, mas também está disponível por R$ 48,49 nas gôndolas da Rede Econômica.

Até os brindes infantis mais em conta apresentam variação significativa. Este é o do mini caminhão da Montevergine, que apresenta diferença de 45,98% entre os R$ 7,09, praticado no Comper, e R$ 10,35, do Extra.

Bombons

O Procon ainda verificou os preços das caixas de bombons na Capital. A maior variação foi encontrada na caixa Especialidades da Nestlé, de 78,36%. O consumidor pode pagar R$ 4,99 pela unidade no Makro ou desembolsar quase o dobro, R$ 8,90, pelo mesmo produto no Extra.

A pesquisa constatou que os menores preços são praticados pelo Atacadão, com duas lojas na cidade, localizadas nas saídas de São Paulo e Cuiabá. Dos 93 itens avaliados, o estabelecimento tem 77 (82,7%) entre os mais baratos. O segundo lugar ficou com o Comper, com 11 unidades distribuídas em Campo Grande, que está com 50 (37,87%) dos 132 itens pesquisados com os menores valores.

 

Pescado e bacalhau

O cardápio da Quaresma pode ficar até 68,42% mais pesado no bolso se o consumidor não ter paciência e disposição para peregrinar entre os 13 estabelecimentos pesquisados pelo Procon. Esta foi a diferença encontrada pelo órgão nos preços do pescado e do bacalhau em Campo Grande nos dias 28 e 29 de março deste ano.

A maior diferença está na sardinha limpa. O quilo do produto custa R$ 4,75 no Atacadão, loja situada na Avenida Costa e Silva, na saída para São Paulo. O produto custa R$ 8, 68,42% mais caro na Peixaria MS, situada a quase sete quilômetros, na saída para Sidrolândia.

A diferença é menor em percentual (53,25%), mas expressiva em valores (R$ 9), quando se trata do bacalhau Saithe, que pode ser encontrado entre R$ 16,90, no Maxxi, e R$ 25,90, no Carrefour. Com a economia obtida em dois quilos do produto, o consumidor pode levar quatro quilos de sardinha limpa para a ceia da Sexta-Feira Santa.

 

Mais comum no Estado, o filé de pintado de rio apresenta variação de 42,45%, sendo R$ 20,99 na Peixaria Rio Sul e R$ 29,90, na Peixaria MS. O pacu de cativeiro eviscerado custa R$ 11,50 na Rio Sul, localizada no Bairro Monte Líbano. Se andar menos de três quilômetros, no Mercadão, o consumidor paga 29,21% menos pelo mesmo pescado, R$ 8,90.

O levantamento constatou que a Peixaria do Mercadão pratica os menores preços da cidade, com 5 dos 7 itens entre os mias baratos. O Atacadão fica em segundo, com três dos cinco itens com valores mais em conta.

Leia Também