Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Ouro pode ser usado em tratamentos contra câncer

Ouro pode ser usado em tratamentos contra câncer
23/05/2010 15:00 -


     

O ouro, utilizado como valor refúgio na economia mundial, tem um futuro brilhante em aplicações para a medicina, o meio ambiente e a energia, estimaram especialistas reunidos em Lima para discutir o presente e o futuro do metal precioso.

Ouvir exemplos de casos sobre as possibilidades de o ouro adaptar-se à indústria, com base em novas tecnologias, parece ficção científica se pensarmos em seu tradicional uso para a confecção de joias ou como investimento em tempos de crise, como a que ameaça a Europa.

Além do uso em joalherias (70%) e em investimentos, "o emprego do ouro na medicina vai crescer, mas não será nunca um motor da demanda", afirma Richard Holliday, diretor industrial do Conselho Mundial do Ouro.

Mas esse uso médico vai ter um impacto superior ao seu peso real, pelas histórias que tem para contar.

As pessoas querem ouvir essas histórias: a magia do ouro não ocorre apenas por sua beleza ou valor, mas também pelas notáveis propriedades do metal que é maleável, bom condutor do calor, resistente à corrosão e biocompatível.

"O uso do ouro por parte da indústria, em especial a eletrônica, já representava, em 2010, 12% da demanda mundial", afirmou Holliday durante simpósio internacional sobre o ouro realizado em Lima. "Estamos ante um cenário emergente que será explorado pela medicina, em especial."

Na medicina, sua aplicação não se limita à confecção de blocos dentários, que representam um fator importante da demanda industrial, mas se estende a "terapias para o câncer, reumatismo (sais de ouro), malária e AIDS", estima Abiel Mngomezulu, diretor da companhia estatal sul-africana Mintek.

No caso do câncer, o ouro é utilizado a partir de nanotecnologias (partículas pequenas) com aplicação como medicamento em quimioterapia, com a propriedade de atuar apenas nas células cancerígenas evitando eliminar as demais, boas ou más, como ocorre na quimioterapia atual, afirmou Holliday.

Felpuda


A continuar disparando tantas críticas ácidas contradizendo o seu partido, que em nível nacional ganhou até um ministério, político cá dessas bandas poderá ser colocado de escanteio e, se continuar nessa cruzada nada palatável para as lideranças, ser convidado gentilmente a “procurar o caminhão do qual caiu”, como se diz no popular. Os comentários são de que o dito-cujo age assim mais para ganhar holofotes. Esqueceu-se, pelo que se vê, que poderá ocorrer curto-circuito. Ui!