Campo Grande - MS, quinta, 16 de agosto de 2018

MUNDO

Otan destrói depósitos de armas de Gaddafi, dizem rebeldes

8 MAI 2011Por FOLHA ONLINE17h:36

Um ataque aéreo da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) atingiu depósito de armamentos do ditador líbio, Muammar Gaddafi, perto de Zintan, ao sudoeste da capital líbia, afirmou à Reuters um porta-voz rebelde.

"A Otan atingiu depósitos de armas cinco minutos atrás numa área a cerca de 30 km a sudeste de Zintan. Nós ouvimos uma explosão forte. Eu acho que o ataque atingiu alguns deles [dos depósitos]", disse por telefone o porta-voz que se identificou como Abdulrahman.

"Nós estamos agora em um cemitério enterrando 11 pessoas martirizadas durante um combate ontem, em que outros 35 combatentes ficaram feridos", afirmou o porta-voz, que está na cidade dominada pelos rebeldes.

As tropas do ditador líbio, Muammar Gaddafi, continuaram neste domingo com a ofensiva em todas as frentes abertas na guerra do país, segundo a TV 'Al Jazeera'. A Otan também bombardeou vários alvos em diferentes áreas do país.

As forças do regime lançaram no sábado um ataque contra a cidade de Jalu, no deserto ao sudeste da Líbia, cujo controle é disputado há dias pelos rebeldes e as tropas de Gaddafi.

Incêndio

No sábado, forças do governo líbio bombardearam grandes tanques de depósito de combustível na cidade de Misrata, no oeste do país, causando um grande incêndio.

O bombardeio ocorreu depois que salvas de artilharia disparadas pelas forças leais a Muammar Gaddafi caíram na Tunísia, caracterizando um aumento nos combates entre soldados líbios e rebeldes contrários ao governo perto da fronteira.

Misrata é a última cidade do oeste sob controle rebelde. A região portuária está sitiada há mais de dois meses e testemunhou algumas das batalhas mais sangrentas entre forças leais a Gaddafi e opositores.

Os rebeldes deram informações variadas sobre o bombardeio a Misrata, mas disseram que o ataque, ocorrido à noite e que atingiu combustível para exportação e consumo interno, é um golpe na capacidade rebelde de resistir ao cerco.

'Quatro tanques foram totalmente destruídos e um grande incêndio ocorreu, espalhando-se agora para os outros quatro. Não conseguimos extingui-lo, pois não temos as ferramentas certas', afirmou o porta-voz rebelde Ahmed Hassan.

'Agora a cidade enfrenta um grande problema. Aquelas não eram apenas fontes de combustível para a cidade. Esses tanques poderiam ter mantido a cidade por três meses com suficiente combustível', afirmou o porta-voz por telefone.

Hassan disse que forças do governo usaram pequenos aviões, normalmente utilizados para jogar pesticidas, para realizar o ataque durante a noite em Qasr Ahmed. Mais tarde, ele disse à TV Al-Jazeera que três helicópteros com emblemas do Crescente Vermelho realizaram o ataque.

Outro porta-voz rebelde, que se identificou como Abdelsalam, disse que um helicóptero do governo realizou uma missão de reconhecimento sobre o porto e, duas horas depois, por volta da meia-noite, no horário local, forças governamentais dispararam foguetes e atingiram três tanques de combustível pertencentes à Brega Oil Company.

Rebeldes notificaram a Otan sobre os aviões antes do ataque, mas não houve resposta, afirmou Hassan. No mês passado, forças do governo realizaram pelo menos uma missão de reconhecimento sobre Misrata com um helicóptero, de acordo com rebeldes.

Se for confirmado o uso de aviões pelas tropas governamentais, significaria que estas violaram a zona de exclusão aérea imposta sobre a Líbia pela ONU, com o objetivo de defender à população civil dos bombardeios.

As provisões de água e luz, assim como todo tipo de bens, incluindo alimentos básicos, foram cortados ou estão limitados atualmente, como denunciaram várias organizações humanitárias internacionais.

Os rebeldes e organizações internacionais classificaram de 'crítica' e 'dramática' a situação que vive a população civil na terceira cidade da Líbia, que continua resistindo como reduto dos insurgentes na zona ocidental do país.

Leia Também