Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

terça, 19 de fevereiro de 2019 - 22h21min

Oscilações no preço do álcool trazem prejuízos aos postos

20 ABR 10 - 20h:50

VERA HALFEN

 

Antes mesmo de os postos de combustível começarem a repassar parte dos R$ 0,20 a mais em cada litro de álcool combustível, cobrados pelas distribuidoras na semana passada, a cotação do derivado da cana-de-açúcar, nas usinas, recuou 8,9%. "Compramos mais caro, ainda nem repassamos esse valor e a cotação na usina caiu. Como é que eu vou repassar o que paguei a mais, se o preço do álcool recuou de novo?", comenta o diretor técnico do Sinpetro, Alfredo Barros. Ele alega que o mercado do álcool não mantém preços estabilizados por determinados períodos, para que haja segurança dos revendedores em comprar e vender o produto, sem ficar no prejuízo. Para o diretor, enquanto não houver sustentação financeira para manter a normalização do mercado, os preços continuarão oscilando.

Barros frisa que neste tipo de situação, o proprietário do posto normalmente opta por bancar o prejuízo e não fazer o repasse, pelo menos integralmente, porque fica difícil explicar que pagou R$ até R$ 0,20 sobre cada litro de álcool, sendo que na semana seguinte, o preço na usina recua em 8,9%.

Em relação ao repasse imediato do reajuste, Barros acredita que as distribuidoras não tinham estoques e por conta disso, quando adquiriram o produto, ele estava com a cotação alta. Por conta dessa situação, o valor foi repassado imediatamente para os postos de combustível, que por sua vez, "seguraram" o repasse entre três e cinco dias, porque ainda tinham estoques comprados por preços mais baixos.

 

O que ocorreu

A cotação do álcool na usina, que estava em R$ 0,7698 (sem impostos) na primeira semana de abril, pulou para R$ 0,9139 no período de 5 a 9 do mesmo mês. A partir do dia 12, as distribuidoras – em período inferior a uma semana – venderam o produto aos postos com reajuste entre R$ 0,15 e R$ 0,20 sobre cada litro do combustível.

Porém, no período de 12 a 16 de abril, a cotação na usina caiu dos R$ 0,9139 para R$ 0,83232, recuando 8,9% no período.

Pesquisa

Dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), referentes ao período de 11 a 17 de abril, apontam que o preço médio do álcool, em Mato Grosso do Sul, é de R$ 1,737 e da gasolina R$ 2,55, ou seja, abastecer com álcool é mais vantajoso. Para que o derivado da cana-de-açúcar seja mais econômico, é necessário que esse combustível tenha um preço inferior a 70% do preço da gasolina.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CRISE NO GOVERNO

Contra crise, Bolsonaro pede que equipe trate Bebianno como 'página virada'

FUTEBOL 2019

Elenco do Fluminense faz greve e não treina em protesto por falta de salários

BRASIL

Pacote anticrime não atrapalha andamento da reforma da Previdência, diz Moro

CRISE NO GOVERNO

Exonerado, Bebianno retira foto com Bolsonaro em rede social

Mais Lidas