Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Os clubes são organizados

11 MAR 10 - 07h:55
Em Mato Grosso do Sul existe a Federação de Clubes de Laço. Ela é responsável por organizar festas federadas, ou seja, aquelas festas oficiais que reúnem os clubes e selecionam laçadores e montadores para participar da Copa do Laço, realizada anualmente no Estado. Isso é uma prova de como o laço é um esporte popular nessa região. Segundo a laçadora Ana Paula Solaliendres, de 26 anos, as festas realizadas pela federação diferem das chamadas festas “carapés”, nas quais os prêmios são dados em dinheiro e os montadores e laçadores precisam pagar taxas de inscrição. “A federação promove festas mensais com o intuito de classificar grupos para a Copa do Laço, que acontece anualmente. Nela, os clubes se reúnem para jogar e acumular pontos. Não tem premiação em dinheiro”, explica. Nas provas da federação, as regras também são mais rígidas. “Tudo é observado. Temos que usar camiseta do clube e ela tem que estar dentro da calça, senão perde-se pontos. Se o chapéu cair durante a prova também”, detalha. Ana monta desde criança. Sua família sempre foi ligada a atividades rurais e praticamente pais e todos os tios são donos de fazendas próximas à cidade de Caracol. Ela sempre manteve contato com animais e, logo, aprendeu a manipular o laço. “Comecei criança e continuei laçando até os 15 anos. Parei, mas decidi retornar há três anos”, conta. Atualmente, Ana laça pelo clube “Porteira de Campo Grande”. Na Capital também existe a Associação Campograndense dos Criadores de Quarto de Milha (ACQM), outro clube de laço comprido. De acordo com a laçadora, cada cidade tem seu clube, que costuma participar das festas federadas. “Quando tem festa, a gente vai com todo o clube. Quando a federação não faz nada, a gente fica só nos carapés, para não perder o costume e arriscar ganhar um trocado”, brinca. Para ela, o laço comprido é um forte representante da cultura sul-mato-grossense. “Depois das provas, sempre acontece um baile para todo mundo dançar e aproveitar a noite. Música sertaneja e tereré não podem faltar em festas de laço”, finaliza. (TA)
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Previsão indica pancadas de chuva nesta semana em MS
TEMPO

Previsão indica pancadas de chuva nesta semana em MS

Bruna criou perfil na internet para difundir sua paixão pelo chá
AMOR PELO CHÁ

Bruna criou perfil na internet para difundir sua paixão pelo chá

MEDIDA PROVISÓRIA

Senado vota transferência do Coaf para o BC na próxima terça

CLÁUDIO HUMBERTO

“Acho muito razoável [Bolsonaro vetar], acho bem razoável”

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião