sexta, 20 de julho de 2018

Aniversário

Orkut, 7 anos e um só desafio: manter-se líder

25 JAN 2011Por Veja22h:00

o Orkut completa, nesta semana, sete anos de existência em meio a uma grande dúvida: a rede social perderá o posto de líder do segmento no Brasil para o sedento Facebook? É possível. Contudo, a tarefa de superar o Orkut não é nada fácil.

Segundo dados do instituto Ibope Nielsen, a rede se mantém em primeiro lugar por aqui com 29,1 milhões de visitas únicas em outubro. O Facebook vem em segundo, já à frente do Twitter, com 15,4 milhões. Para se manter na dianteira, vale dizer, o Orkut terá de suar a camisa – já que seu rival adota estratégias reconhecidamente agressivas para ganhar mercado.

Conheça três sutis alterações que poderiam dar maior dinamismo ao site e garantir a ele a manutenção da liderança brasileira:

Aperfeiçoar a navegabilidade
Uma das maiores reclamações de usuários é relativa à navegabilidade do Orkut e à dificuldade de acrescentar ou excluir recursos à sua página. O maior exemplo disso é o espaço destinado às mensagens trocadas por usuários, conhecidas como scraps: adeptos do Orkut reclamam da falta de um botão para excluir mensagens recebidas – em grande parte, conteúdos com spam ou vírus. A única opção em destaque em cada scrap permite apenas três alternativas: ocultar, sair desta conversa ou denunciar spam.

Outro pequeno artifício que auxiliaria usuários seria a criação de URLs personalizáveis. Exemplo: para encontrar VEJA no Facebook ou Twitter, basta digitar http://facebook.com/veja ou http://twitter.com/veja. O Orkut até acena com a possibilidade de tal mudança, mas, por ora, o site destina tal ferramenta apenas a um seleto grupo, como a comunidade oficial do site. Resta franquear poder ao usuário.

Alterar a política restritiva de conteúdos
Desde dezembro, comunidades criadas no Orkut são exibidas entre os resultados de busca do Google. Foi a primeira tentativa de tornar público um espaço que, até então, era restrito à rede social – e uma estratégia que pode atrair desenvolvedores, programadores e agências de propaganda, que também podem oferecer dinamismo ao site. Falta, agora, deixar público e visível aos motores de busca os populares aplicativos disponíveis na rede – estratégia já desenvolvida pelo rival Facebook.

Atrair novos serviços
Em outubro, o Google revelou aos desenvolvedores brasileiros uma integração do Orkut com o Jambool, plataforma de pagamentos on-line adquirida pela gigante de buscas em 2009. Em tese, qualquer programador que desenvolvesse serviços para a rede social teria a possibilidade de inserir ferramentas de cobrança nos seus programas.

O primeiro passo foi dado. Contudo, profissionais da área relatam inúmeras dificuldades com a criação de aplicativos no site. A principal delas incomoda o maior interessado: o usuário. Muitos adeptos da rede reclamam de problemas envolvendo instabilidade de aplicativos e games.

Resta ao Orkut, portanto, solucionar o ruído – pequeno, porém indispensável. Analistas e pesquisadores de mídia defendem que as pequenas empresas voltadas ao desenvolvimento de serviços no Twitter e Facebook sejam as maiores responsáveis pelo crescimento vertiginoso desses sites nos últimos dois anos.


 

Leia Também