Campo Grande - MS, terça, 21 de agosto de 2018

MASSACRE DE REALENGO

Órgãos de crianças mortas no ataque ajudarão 44 pessoas

10 ABR 2011Por Rio de Janeiro12h:45

A solidariedade de quatro famílias em meio à dor de perder suas crianças vai ajudar pelo menos 44 pessoas com a doação de órgãos. Oito córneas foram doadas e, assim, quatro crianças poderão voltar a enxergar. Os outros pacientes beneficiados vão receber tecido músculo esquelético, que inclui osso, menisco e tendão, segundo o Instituto de Traumatologia e Ortopedia (Into).

A seleção dos pacientes ainda vai ser feita, de acordo com a demanda da Central de Transplantes do Rio. Cinco famílias também autorizaram doações, mas as amostras de sangue indicaram que o transplante já não poderia ser feito por causa do tempo da morte. A mãe de Igor Moraes da Silva, de 13 anos, ficou decepcionada com a burocracia: o pai do menino, que abandonou a família, também deveria assinar o documento. "Seria um pouco de conforto para nós", lamentou.

Chefe da Divisão de Transplantes de Multitecidos do Into, Rafael Prinz diz que muitas vezes a doação minimiza o sofrimento dos parentes. De uma menina vítima da fúria do atirador, foi possível retirar o fêmur, tíbia, parte do osso do quadril, parte do osso do braço (úmero) e antebraço (rádio), além de tendões (aquiles). O material ficará armazenado no banco de tecido do Into, a uma temperatura de -85º C, e pode ser transplantado em até cinco anos.

Esta foi a primeira vez que a equipe do Into conseguiu autorização para a retirada de um corpo do Instituto Médico-Legal (IML) para fazer a captação no próprio instituto, onde está localizado o único banco de tecidos público do Brasil. "Poderemos usar o tecido ósseo em cerca de 40 pessoas, em cirurgias de revisão de próteses, implantes no quadril e no joelho, cirurgias de tumores ósseos e de deformação de coluna ou ainda em crianças com deformidades congênitas, como nos pés, por exemplo", explicou o médico.

Padrinho de Laryssa Silva Martins, Gerson da Silva Guilherme, de 47, disse que a família decidiu ajudar outra pessoa transplantando as córneas da menina. "A luz dos olhos dela vai brilhar outra vez."

A Central de Transplantes informou que rins, coração, pulmões e fígado só podem ser transplantados quando o doador sofre morte cerebral. As famílias doaram córneas e tecido ósseo de Karine Lorraine Chagas de Oliveira, de 14, Laryssa Silva Martins, de 13, Bianca Rocha Tavares, de 13, e Luiza Paula Silveira Machado, de 14.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também