Organizada do Santos se irrita com Ganso e promete protesto em clássico

Organizada do Santos se irrita com Ganso e promete protesto em clássico
25/08/2012 02:00 - terra


A Torcida Jovem, principal organizada do Santos, promete protesto direcionado ao meia Paulo Henrique Ganso no clássico contra o Palmeiras, neste sábado, às 18h30 (de Brasília), no Estádio do Pacaembu. O grupo de torcedores não aprovou as recentes declarações do camisa 10 sobre uma possível transferência para o São Paulo.

"Nós chegamos do Chile, cansados, a gente ama esse clube e pedimos respeito. Vamos protestar de uma maneira respeitosa, mas ficamos irritados com o jogador. São fatos em cima de fatos. Todo ano tem uma novidade. É um desrespeito ao Santos, jogadores e principalmente a torcida. Torcedor não é bobo, enxerga, tem ouvidos. Ele precisa se definir. Ele precisa saber respeitar o contrato", disse Cosmo Damião, presidente de honra e fundador da Torcida Jovem.

O protesto terá início antes mesmo do jogo começar, no grito entoado para cada jogador. No lugar de "maestro do Peixão", o coro será trocado por: "Não é mole, não. Paulo Henrique mais respeito com o Peixão".

"Do mesmo jeito que o saudamos, vamos protestar pedindo para que ele tenha respeito com o Santos", completou Cosmo.

Ganso declarou na volta de Santiago, após a primeira partida da Recopa Sul-Americana contra a Universidad de Chile, que "seria um prazer jogar no São Paulo" e ainda elogiou a possibilidade de ganhar cerca de R$ 350 mil no rival.

O São Paulo fez uma proposta pelo camisa 10 de cerca de R$ 11 milhões, na última terça-feira. A oferta foi prontamente rejeitada pelo Santos. O clube da Capital pretende gastar até 30% dos R$ 81 milhões arrecadados com Lucas e topa realizar oferta de até R$ 24 milhões, idealizando comprar ainda os 55% dos direitos do jogador pertencentes a DIS.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".