Quinta, 18 de Janeiro de 2018

Orcírio pede a “cabeça” de diretores de órgãos federais

22 JUL 2010Por 07h:17
lidiane kober

O candidato do PT à sucessão estadual, José Orcírio dos Santos, pediu ontem, em Brasília, a “cabeça” de diretores de autarquias federais de Mato Grosso do Sul por estarem fazendo campanha em favor de José Serra (PSDB) na corrida presidencial e de André Puccinelli (PMDB) na disputa pelo Governo do Estado. Segundo o petista, os diretores estão usando ações do Governo federal para favorecer o atual governador e seu candidato a presidente nas eleições.
Estão na mira de Orcírio o coordenador regional da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), Sérgio Britto; o superintendente da Delegacia Federal de Agricultura (DFA), Orlando Baez, além do superintendente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Alfredo Sérgio Rios.
Como irregularidade, o petista citou o fato de o coordenador da Funasa levar Puccinelli até aldeias indígenas e anunciar que o governador foi o único responsável pela construção de unidades habitacionais e pela distribuição de cestas básicas aos índios. “Isso são ações bancadas, em quase sua totalidade, pelo governo do presidente Lula (PT)”, rebateu. “Portanto, não tem sentido estes cargos ficarem nas mãos de pessoas indicadas pelo governador, que andam com adesivos do Serra em seus carros e contra o Lula”, completou.
Orcírio apresentou o pedido para tirar os responsáveis pelas autarquias federais dos cargos ao chefe do gabinete da Presidência da República, Gilberto Carvalho. Na semana que vem, o petista reforçará a reivindicação ao ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha. “Em quinze dias, devo obter uma resposta”, calculou.

Comício
Ainda ontem em Brasília, Orcírio apresentou ao responsável pela agenda presidencial, Sérgio Alvarez, convite para Lula conciliar sua agenda oficial com a política, no dia 24 de agosto, durante inauguração de obra do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do Governo federal, em Campo Grande.
O plano do candidato do PT é realizar comícios na Capital e em Dourados com a presença do presidente. “Em junho, no lançamento da candidatura de Dilma Rousseff (PT) à Presidência da República, o Lula me prometeu que viria em agosto ao Estado para fazer campanha comigo”, frisou, por telefone.
Segundo o petista, no máximo em 15 dias, Lula deverá confirmar participação nos atos políticos.

Espionagem
Orcírio também aproveitou a passagem pelo Distrito Federal para entregar denúncia formal, com carta anônima anexa, na qual detalha 30 pessoas ligadas ao atual Poder Executivo estadual que estariam “monitorando” sua campanha para elaborar possível fraude eleitoral. O petista levou o caso ao diretor-geral da Polícia Federal, Luiz Fernando Corrêa, e ao secretário-executivo do Ministério da Justiça, Rafael Thomaz Favetti. Segundo ele, os órgãos ficaram de apurar as informações. (Colaborou Clodoaldo Silva)

Leia Também