Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Orcírio não aceita romper coligação com PV em MS

3 JUL 10 - 00h:02
Fernanda Brigatti

O candidato do PT ao governo do Estado, José Orcírio dos Santos, foi surpreendido pela orientação do diretório nacional, de romper as alianças locais com partidos que tenham candidato à Presidência, e não deseja revogar, em Mato Grosso do Sul, a coligação com o PV. A aliança é considerada, por Orcírio, como estratégica e importante. Nacionalmente, o PV tem a candidata a presidente Marina Silva. O candidato petista acredita que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não manterá a proibição aos palanques eletrônicos nos estados.
Ontem, o presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, recomendou aos diretórios regionais que rompam as coligações com legendas que tenham candidato à Presidência da República.
No caso do PT de Mato Grosso do Sul, o PV indicou a candidata a vice de Orcírio, a advogada douradense Tatiana Azambuja Ujacow. “Te confesso que eu não sei, estou direto na campanha. Tem que analisar isso. Para nós, é uma aliança estratégica, importante”, disse.
Orcírio afirmou, no entanto, que confia em uma nova decisão do TSE sobre o uso da voz e imagem dos candidatos à Presidência e militantes nas campanhas regionais. Na terça-feira (29/06), o TSE decidiu que candidatos a governador, vice e senador não podem exibir imagem ou voz de candidatos à Presidência ou seus aliados caso sejam adversários na corrida pelo Planalto.
O entendimento, no entanto, foi confuso. Partidos, coligações e advogados interpretavam a decisão de maneiras diferentes. Baseado nisso, o TSE decidiu não publicar a decisão, mantendo o teor sem aplicabilidade. A corte deve voltar a discutir o assunto a partir do mês de agosto. O presidente do TSE, ministro Ricardo Lewandovski, admitiu a confusão e postergou para a partir de 2 de agosto a avaliação do assunto.
Para o candidato petista ao governo, a decisão inicial do TSE foi discriminadora. “Como pode proibir o Lula de falar da Dilma, como pode proibir a Tatiana de falar da Marina (nas campanhas em Mato Grosso do Sul)? É uma discriminação, não tem como”, afirmou.

Preocupação
Apesar do recuo do TSE, o Diretório Nacional do PT não quer correr o risco de perder o direito de exibir o presidente Lula ou a candidata petista à Presidência, Dilma Roussef, e orientou o rompimento com as coligações. Ao Estadão, Dutra afirmou que era melhor perder os 15 a 30 segundos de propaganda a mais que as coligações proporcionavam a ficar sem a imagem da candidata e do principal cabo eleitoral dela.
Para o presidente nacional do PT, o risco de o TSE manter a decisão pela proibição existe e deve ser evitado. Como a decisão do TSE foi tomada após as convenções, Dutra acredita que qualquer coligação perde a segurança jurídica com a indefinição imposta pelo tribunal.
Nesta semana, o PT de Mato Grosso do Sul já tinha definido não abrir mão da participação de Dilma e Lula na propaganda eleitoral de rádio e televisão, enquanto a decisão não se tornasse uma recomendação expressa. Ainda assim, o candidato ao governo, José Orcírio, já elaborava um plano B, caso fique vetado de usar a imagem da candidata à Presidência: usar a campanha de rua para divulgar o nome da presidenciável petista, mesmo tática que deve ser utilizada por sua companheira de chapa, Tatiana, para pedir votos para a verde Marina Silva.
A decisão do TSE poderia afetar também a campanha à reeleição do governador André Puccinelli (PMDB), que se aliou ao PSDB e anunciou apoio a José Serra, adversário da chapa que tem o peemedebista Michel Temer na vice.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Ministro diz que campanha pela Amazônia é "ataque internacional"
EM CAMPO GRANDE

Ministro diz que campanha pela Amazônia é "ataque internacional"

Após cassação, Miranda terá nova eleição para prefeito em outubro
ELEIÇÃO SUPLEMENTAR

Miranda terá nova eleição para prefeito em outubro

Ministro da Saúde anuncia multivacinação para outubro
CAMPANHA

Ministro da Saúde anuncia multivacinação para outubro

Processo seletivo do Senar tem 10 vagas e salário de R$ 6,5 mil
OPORTUNIDADE

Senar abre seleção com 10 vagas e salário de R$ 6,5 mil

Mais Lidas