Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 16 de outubro de 2018

Orcírio começa a definir o vice na sexta-feira em Dourados

12 MAI 2010Por 00h:04
Fábio Dorta, DOURADOS

O ex-governador José Orcírio dos Santos (PT) começa a definir na próxima sexta-feira, em Dourados, a escolha do seu candidato a vice. Ele reiterou ontem a importância de contar com representante da região na chapa majoritária para prestigiar o segundo maior colégio eleitoral do Estado. A ideia é fazer contraponto ao governador André Puccinelli (PMDB) que escolheu uma liderança de Três Lagoas, a então prefeita Simone Tebet (PMDB), para parceira de chapa, deixando Dourados de lado. José Orcírio vai se reunir com aliados políticos e empresários de Dourados para escolher um nome de consenso.
Em entrevista por telefone à rádio Grande FM, na manhã de ontem, Orcírio listou vários nomes da região de Dourados para vice, como, por exemplo, os ex-prefeitos Humberto Teixeira e José Elias Moreira, ambos do PDT.

José Orcírio citou ainda três nomes do PSB, o presidente da Caixa de Assistência dos Servidores de Mato Grosso do Sul (Cassems), Lauro Sérgio David, o professor universitário Claudio Freire e o vereador José Carlos Cimatti (que cumpre o sexto mandato consecutivo na Câmara Municipal).
O ex-governador disse ainda que outros partidos aliados e, segundo ele, tem bons quadros em Dourados, como o PV, também poderão indicar um nome para a vice-governadoria. “Nosso desejo é que Dourados esteja na majoritária. São todos bons nomes, mas antes de definir isso com o PT eu vou sentir o povo daí, o que os douradenses estão pensando”, afirmou Orcírio.

O ex-governador afastou a possibilidade de aproximação com o DEM, embora o vice-governador Murilo Zauith não tenha decidido ainda se será candidato ao Senado na chapa do governador André Puccinelli (PMDB). “O vice-governador e as principais lideranças (do DEM) deixaram claro que não tolerariam uma aliança com o PT. Nós buscamos outras alternativas, hoje a coisa já andou muito e não tem volta”, finalizou.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também