POLÍTICA

Orcírio aposta no debate para vencer eleição

Orcírio aposta no debate para vencer eleição
07/08/2010 08:02 -


lidiane kober

O candidato do PT à sucessão estadual, José Orcírio dos Santos, apostou no debate para ganhar as eleições em Mato Grosso do Sul e reafirmou que seu primeiro ato, caso eleito, será acabar com a cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviço (ICMS) aos pequenos e microempresários. Ontem, ao abordar os moradores da Vila Almeida, em Campo Grande, o petista abria a conversa com as promessas de “menos imposto e mais emprego e mais democracia e menos ditadura”.  
Segundo Orcírio, por conta do impacto de suas propostas de governo entre os eleitores, o seu adversário André Puccinelli (PMDB) passou a adotar o mesmo discurso. “Ele tem mania de copiar nossas propostas”, criticou. “Por isso, eu registrei em cartório o plano de acabar com o ICMS aos pequenos e microempresários”, completou. Anteontem, também na Vila Almeida, Puccinelli prometeu reduzir a carga tributária.
Empolgado com a campanha, o petista revelou estar ansioso para ficar frente a frente com seu adversário no primeiro debate entre os candidatos à sucessão estadual, previsto para acontecer na próxima quinta-feira (12), às 14 horas, na Federação dos Trabalhadores em Educação (Fetems), em Campo Grande. “Vou desmascarar o André”, declarou Orcírio. “Aí as coisas vão começar a se esclarecer”, opinou. “Por que, ao contrário das pesquisas publicadas na mídia local, sinto nas ruas que a realidade é absolutamente diferente. Todo mundo me recebe bem e me dá sinal positivo para eu continuar minha caminhada. Não encontro um voto para o André”, finalizou.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".