Quarta, 21 de Fevereiro de 2018

GOVERNO

Oposição reage a pedido de Lula de que não seja 'raivosa' com governo Dilma

3 NOV 2010Por FOLHA ONLINE21h:47

A oposição reagiu nesta quarta-feira à declaração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de que DEM e PSDB foram "raivosos" durante os seus oito anos de governo e fizeram a "política do estômago" para prejudicá-lo na Presidência da República.

Com a promessa de manter as críticas ao futuro governo de Dilma Rousseff (PT), mas sem ataques imediatos, líderes oposicionistas afirmaram que Lula enfrentou uma oposição "tranquila" no Congresso mesmo em momentos de crise --por isso teve uma reação infundada.

"O presidente está novamente usando da ironia de baixo calão que lhe é peculiar. Precisa aprender que a democracia pressupõe convivência, inclusive de opostos. A futura presidente merecerá da oposição o mesmo tratamento respeitoso, atencioso, dentro dos princípios que permitam que termine o seu mandato", disse o senador Demóstenes Torres (DEM-GO).

Vice-líder do PSDB no Senado, Álvaro Dias (PR) afirmou que Lula teve a "oposição que pediu a Deus", sem motivos para reclamar. "A oposição foi excessivamente generosa, responsável, construtiva. O que incomoda o presidente até hoje foi a única derrota que ele teve no Congresso, a derrubada da CPMF."

Para o senador Heráclito Fortes (DEM-PI), Lula teve uma oposição "compreensiva" no seu mandato, mas insistiu em ataques durante a campanha eleitoral. "Ninguém teve mais tempo, uma oposição mais compreensiva do que o Lula, até quando ele viveu uma crise de governabilidade."

Sobre o governo Dilma, senadores da oposição afirmam que a presidente eleita vai receber ataques somente se cometer falhas em seu governo. "Estamos diante de um governo legitimamente eleito. A oposição não pode atacar por atacar", disse Heráclito.

CRÍTICAS

Durante entrevista nesta quarta-feira ao lado de Dilma, Lula pediu que a oposição não fique "raivosa" a partir de 1º de janeiro --quando a petista assume a Presidência da República.

"Queria pedir a compreensão que, dentro do Congresso Nacional, a nossa oposição não faça contra Dilma a política que fez comigo, a política do estômago, a política da vingança, do trabalhar para não dar certo."

As críticas à oposição se intensificaram durante a campanha eleitoral. Em discurso em Santa Catarina, Lula sugeriu que o DEM fosse "extirpado" da política nacional.

Depois, no Piauí, disse que Deus fez "vingança" com senadores que votaram contra o governo e não foram eleitos --como Heráclito e Mão Santa (PSC-PI).

Em Goiás, o presidente também fez ataques ao senador Marconi Perillo (PSDB), a quem acusou de "mentir" de usar de "mau caratismo" ao reivindicar a paternidade de obras como a Ferrovia Norte-Sul.

Leia Também