Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sábado, 15 de dezembro de 2018

JAPÃO

Operários são retirados de usina após registro de radiação

27 MAR 2011Por g107h:17

Funcionários da usina de Fukushima, no Japão, foram retirados do local em que trabalhavam, neste domingo (27), depois da detecção de elevados índices de radiação na central.

Segundo informou a Tokyo Electric Power, a água acumulada na turbina do reator número 2 está com radiação 10 milhões de vezes acima da normal.

Os altos índices de radiação na água acumulada na usina podem estar levando ao aumento na radiação da água do mar próximo ao local.

O nível de iodo radioativo no mar próximo à usina nuclear de Fukushima Daiichi, no Japão, chegou a uma concentração 1.850 vezes superior ao padrão, segundo informou neste domingo a Agência de Segurança Nuclear. No sábado (26), um índice de iodo radioativo 1.250 vezes superior ao padrão havia sido encontrado.

Sem risco à saúde
Apesar do aumento no nível de iodo radioativo no mar de Fukushima, as partículas da radiação deverão se dispersar, sem representar risco à saúde, à vida marinha ou à segurança alimentar, segundo a Agência. A radioatividade da água no local, no entanto, impede a atuação de trabalhadores na restauração dos sistemas de refrigeração.

O índice de iodo 131 já estava 126 vezes acima do padrão na terça-feira (22) passada no litoral próximo à central de Fukushima Daiichi. O governo japonês decretou então um reforço no controle sobre peixes e mariscos procedentes da costa atingida.

Fukushima Daiichi, situada 250 km a nordeste de Tóquio, foi varrida por um tsunami de 14 metros que interrompeu o fornecimento de energia e provocou o colapso na refrigeração dos reatores, após a paralisação das bombas d'água, iniciando uma crise nuclear.

A Tokyo Electric Power (Tepco) tentará, neste domingo, drenar a água radioativa de algumas áreas da usina nuclear de Fukushima Daiichi para facilitar o trabalho dos operários.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também