INVESTIGAÇÃO

Operação da PF contra pedofilia na web prende humorista

Operação da PF contra pedofilia na web prende humorista
28/06/2012 14:00 - G1


A operação da Polícia Federal contra pedofilia realizada nesta quinta-feira (28) em 11 estados e no Distrito Federal prendeu um humorista em Fortaleza. Fontes da PF informam que o humorista que foi preso é o radialista Rodrigo Vieira Emerenciano, conhecido como Mução. No total, 18 pessoas foram presas na operação da Polícia Federal.

O radialista preso em Fortaleza comanda um programa de rádio de humor retransmitido no Nordeste há 15 anos. O programa é atualmente retransmitido em rádios de todo o país e é conhecido por aplicar pegadinhas por telefone.

Materiais de informática que estavam com ele, como notebook e tablet, foram apreendidos para perícia. Representantes do humorista não haviam se pronunciado oficialmente até a última atualização desta reportagem. Um dos representantes disse que divulgaria uma nota à tarde.

 Prisões

Além do humorista detido no Ceará, outras prisões ocorreram no Rio Grande do Sul (duas em Porto Alegre, uma em Esteio e duas em Santa Maria), Minas Gerais (três prisões), Paraná (uma em Foz do Iguaçu), São Paulo (uma na capital), Rio de Janeiro (duas na capital), e Espírito Santo (uma na Grande Vitória).

A PF começou a monitorar a quadrilha há seis meses através de redes privadas de compartilhamento de arquivos. Os suspeitos atuavam no anomimato. Os arquivos compartilhados pela quadrilha continham cenas de adolescentes até 12 anos, crianças e bebês em contexto de abuso sexual. As fotos não eram vendidas, mas trocadas entre os usuários.

Segundo a Polícia Federal, 97 estrangeiros e 63 brasileiros participariam da rede de pedofilia, trocando material contendo cenas de sexo explícito com crianças e adolescentes. Em todo o Brasil, 49 pessoas foram identificadas.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".