Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Onze ministros devem disputar as eleições

30 MAR 10 - 23h:00
Pelo menos 11 ministros do presidente Luiz Inácio Lula da Silva devem disputar as eleições de outubro. Antes do feriado da Semana Santa, o governo quer definir como ficará a Esplanada dos Ministérios. O prazo para desincompatibilização termina no próximo sábado, mas, devido ao feriado, o Planalto marcou para hoje, pela manhã, uma cerimônia no Palácio do Itamaraty de despedida para quem está saindo e para apresentação dos substitutos nas pastas.

Além do ex-ministro da Justiça, Tarso Genro, que deixou o Ministério da Justiça em fevereiro para concorrer ao Governo do Rio Grande do Sul, também sairão do governo a ministra Dilma Rousseff, chefe da Casa Civil, que concorrerá à Presidência da República, e os ministros Hélio Costa (Comunicações), Edison Lobão (Minas e Energia); Geddel Vieira Lima (Integração Nacional). Costa deve disputar o governo de Minas Gerais ou concorrer à reeleição para senador, Lobão tentará se reeleger a senador pelo Maranhão e Geddel concorrerá ao governo da Bahia.

Os ministros José Pimentel (Previdência Social), Reinhold Stephanes (Agricultura) e Edson Santos, (Igualdade Racial) saem para tentar a reeleição como deputados federais pelo Ceará, Paraná e pelo Rio de Janeiro, respectivamente. Carlos Minc, titular do Meio Ambiente, disputará novo mandato para deputado estadual no Rio de Janeiro. Alfredo Nascimento (Transportes) disputará o governo do Amazonas. O ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias, anunciou ontem que vai deixar o governo para concorrer ao governo de Minas Gerais.

Meirelles
O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, afirmou ontem que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu que ele não deixasse o governo para se candidatar e que ficasse até o final do seu mandato. Após a reunião com o presidente, Meirelles pediu 24 horas para dar uma resposta definitiva.
“A opinião dele é que, se depender dele, eu fico no Banco Central até o final deste governo. É para completar o trabalho, a estabilização econômica [...]. Eu pedi 24 horas a ele para pensar e, portanto, amanhã (hoje), eu darei a resposta ao presidente. Se, de fato, fico no Banco Central, conforme pedido do presidente, ou se saio para via eleitoral”, disse Meirelles.

Questionado se não seria prejudicial para o mercado a demora, Meirelles afirmou que a decisão já é aguardada há muito tempo e que “mais 24 horas não fazem diferença”.
Filiado ao PMDB, Meirelles já foi cogitado para ser candidato ao Governo de Goiás e até mesmo como vice na chapa da petista Dilma Rousseff à Presidência, mas o destino mais certo para o presidente do BC, caso deixe o governo, será uma candidatura ao Senado.

Em 2002, Meirelles foi o deputado federal mais votado de Goiás, elegendo-se pelo PSDB. Logo depois, embora as urnas o tivessem transformado em um banqueiro tucano, o então ministro da Fazenda, Antonio Palocci, escolheria seu nome para assumir a presidência do BC do governo petista de Luiz Inácio Lula da Silva.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

FUSÃO

Cade aprova aquisição de parte da Embraer pela Boeing

Autoridades identificam outras sete vítimas do acidente que matou Kobe Bryant
ASTRO DO BASQUETE

Autoridades identificam outras sete vítimas do acidente que matou Kobe Bryant

ALERTA

Anvisa só inspeciona aviões da China quando suspeita de coronavírus é notificada

Roberta D'Albuquerque: "Não chore não"
COMPORTAMENTO

Roberta D'Albuquerque: "Não chore não"

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião