CIDADANIA

ONG denuncia prisão de quilombolas à ONU e OEA

ONG denuncia prisão de quilombolas à ONU e OEA
10/01/2014 21:00 - AGÊNCIA BRASIL


A organização não governamental (ONG) Justiça Global encaminhou hoje (10) à Organização das Nações Unidas (ONU) e à Organização dos Estados Americanos (OEA) denúncia sobre agressão a quilombolas na última segunda-feira (6) no Complexo Naval de Aratu, na Bahia.

De acordo com a denúncia, dois moradores da comunidade quilombola Rio dos Macacos, Edinei Messias dos Santos e Rosimeire Messias dos Santos, foram presos e agredidos por militares ao passar por um portão que dá acesso à comunidade e que é controlado pela Marinha.

O objetivo da medida é mobilizar uma discussão e trazer à tona os problemas enfrentados pela comunidade. O Ministério Público Federal (MPF) abriu inquérito para apurar o caso. Edinei e Rosimeire estão sendo ouvidos, neste momento, pelo procurador regional substituto dos Direitos do Cidadão, Edson Abdon.

Abdon informou que os militares deverão prestar depoimentos na próxima semana, mas sem data definida. O comandante da base deverá ser ouvido na próxima terça-feira (14).

A comunidade Rio dos Macacos e a Marinha têm um histórico de disputas pela região. Desde 2010, membros da comunidade e da Marinha brigam na Justiça pela área conhecida como Barragem dos Macacos, no município de Simões Filho, na região metropolitana de Salvador.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".