Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

OEA vai julgar o Brasil pela Lei de Anistia

4 MAI 10 - 07h:55
AGÊNCIA ESTADO, GENEBRA

A Organização dos Estados Americanos (OEA) quer uma definição sobre a Lei de Anistia no Brasil para o início do segundo semestre, antes das eleições presidenciais no País. O Governo brasileiro sentará no banco dos réus no próximo dia 20 e 21 na Corte Interamericana de Direitos Humanos para a última audiência em relação à Lei de Anistia. O caso foi aberto pela OEA contra o Estado brasileiro há um ano e a entidade não esconde que espera uma condenação.
Em junho, uma missão da Comissão de Direitos Humanos da OEA visitará o Brasil para tratar do assunto e a entidade promete intensificar a pressão sobre o País diante da recusa do Supremo Tribunal Federal em permitir o julgamento de casos de tortura durante o regime militar.
Uma condenação da Lei de Anistia no Brasil não poderá ser apelada e, sabendo dessa situação, o Governo informou à OEA que enviará uma delegação de peso à Costa Rica, onde ocorre a audiência em duas semanas.

Na quinta-feira passada, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por 7 votos a 2, rejeitar uma ação, impetrada pela Ordem dos Advogados do Brasil, que pedia uma revisão da lei de 1979. No dia seguinte, a cúpula da ONU atacou a decisão e pediu o fim da impunidade no Brasil.
Na OEA, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos já havia aberto uma ação contra o Governo brasileiro por não ter cumprido suas recomendações feitas em 2008 de punir os responsáveis pela detenção arbitrária, tortura e desaparecimento durante a ditadura militar (1964-1985). Os casos estariam ligados a 70 pessoas ligadas à Guerrilha do Araguaia e camponeses que viviam na região.

Segundo o secretário-executivo da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (órgão criado pela OEA), Santiago Canton, o caso promete chegar a uma conclusão ainda em 2010. “Nós na Comissão de Direitos Humanos já demos nossa versão, apontando que a manutenção da lei de anistia vai contra o que acreditamos ser a direção legal que o continente deve tomar. Mas o Governo brasileiro não cumpriu e por isso é que caberá agora à Corte dar sua decisão”, explicou.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

QUATRO MORTES

Sobe para 21 o número de casos suspeitos de intoxicação por cerveja

Abertura de mercados internacionais ampliam perspectivas econômicas, diz presidente do Sicredi
COOPERATIVISMO

Abertura de mercados internacionais ampliam perspectivas econômicas, diz presidente do Sicredi

Confira o resultado final <br>do vestibular da UFMS
EDUCAÇÃO

Confira o resultado final
do vestibular da UFMS

Bolsa acentua alta no fim e renova máxima histórica, a 118.861,63 pontos
MERCADO FINANCEIRO

Bolsa acentua alta no fim e renova máxima histórica, a 118.861,63 pontos

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião