INFRAESTRUTURA

Obras do PAC vão demorar até três anos, admite Bernal

Obras do PAC vão demorar até três anos, admite Bernal
07/02/2014 00:00 - DA REDAÇÃO


O prefeito Alcides Bernal (PP) afirmou ontem, após participar de agenda pública na Escola Municipal de Governo, que vai entregar ainda em seu mandato todas as obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), com valor total de R$ 491,8 milhões em investimentos, mas fez silêncio sobre o prazo para início das obras, segundo reportagem na edição desta sexta-feira (07) do jornal Correio do Estado.

Questionado sobre o risco de que o município novamente perca prazos para empenho de recursos, como ocorreu com R$ 7,1 milhões em emendas parlamentares referentes a 2013, impedindo o início de dezenas de obras na Capital, Bernal assegurou que “todos (os prazos) serão cumpridos” e o andamento dos projetos “está dentro do cronograma”.

Na melhor das hipóteses, a Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação trabalha com a previsão de abrir licitação para as obras entre abril e maio deste ano. No entanto, esse cronograma deixa uma margem exígua para a aplicação dos investimentos em caso de imprevistos, como a necessidade de reformulação de itens dos projetos e até mesmo recursos apresentados pelas empresas concorrentes para as obras. De acordo com fontes da Caixa Econômica Federal, o prazo máximo para empenhar os recursos seria junho. A reportagem é de Daniella Arruda.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".