Domingo, 25 de Fevereiro de 2018

Obra na Ernesto Geisel tem de ficar pronta até dezembro

6 OUT 2010Por bruno grubertt02h:49



Até dezembro, as obras para recuperar áreas de erosão às margens do Rio Anhanduí, ao longo da Avenida Ernesto Geisel, em Campo Grande, devem ser concluídas, caso contrário, a prefeitura corre o risco de perder os recursos federais disponibilizados por convênio com o a Caixa Econômica Federal. Há pelo menos três anos as margens do córrego cederam e, na região do Ginásio Guanandizão, por exemplo, a pista foi tomada pelo buraco e somente uma das três faixas está liberada.
A cada período de chuvas fortes, a erosão aumenta e assusta motoristas que passam pelo local. As obras, que atualmente são feitas em ritmo lento, devem ser aceleradas para evitar a perda dos recursos.
De acordo com a Prefeitura de Campo Grande, a recuperação ainda não foi concluída pois, no tempo necessário para aprovação do projeto pelo Governo federal, outras enxurradas causaram mais transtornos e o projeto teve de ser adequado aos novos estragos. Por isso, foi preciso aguardar mais tempo para que os ajustes fossem analisados pelos técnicos da Caixa Econômica Federal. “Este projeto ficou parado por dois anos e teve que passar por duas adequações, uma em outubro de 2007 e outra em agosto de 2009. Agora está tudo liberado e a obra está em execução”, afirmou o engenheiro Taner Lobo, responsável pela fiscalização das obras no trecho.
Segundo explicou o engenheiro, por conta da espera, as obras terão de ser feitas nas épocas em que tradicionalmente chove, o que impõe dificuldades ao bom andamento dos trabalhos.
Situação
Em outro trecho da Ernesto Geisel, próximo às obras do novo shopping, operários trabalham na recuperação das margens do córrego. No local, será construída uma ponte para facilitar o acesso ao empreendimento.
Nas proximidades do Guanandizão, porém, somente dois homens trabalham na preparação das ferragens usadas nas placas de concreto que serão usadas nos muros de contenção e a máquina usada para retirar a terra do leito do rio estava parada.

Leia Também