Campo Grande - MS, segunda, 20 de agosto de 2018

VISITA

Obama vai provar pratos tipicamente brasileiros

17 MAR 2011Por AGÊNCIA BRASIL12h:03

Os preparativos para a visita ao Brasil do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, envolvem uma atenção especial à culinária. Os diplomatas brasileiros querem que Obama, a primeira-dama, Michelle, e as filhas, Malia, de 10 anos, e Sasha, de 7, conheçam a gastronomia nacional. O cardápio do almoço, que será oferecido sábado (19) no Itamaraty, inclui picanha, farofa e baião de dois (prato sertanejo feito com feijão de corda, paio, arroz e queijo de coalho).

Obama e a família vão poder ainda saborear frutas típicas brasileiras, como manga, maracujá, carambola e mamão papaia. Se quiser, o presidente norte-americano poderá experimentar o vinho tinto nacional, produzido por uma vinícola tradicional do Rio Grande do Sul. Para os vegetarianos, serão servidos sucos naturais tropicais e legumes grelhados.

Flores brasileiras enfeitarão as mesas. A previsão é que cerca de 150 convidados participem do almoço no Itamaraty. Foram enviados convites a ministros, parlamentares, empresários e assessores. Porém, para o jantar privado no Palácio da Alvorada, que a presidenta Dilma Rousseff oferecerá à família Obama, apenas um grupo seleto foi convidado.

O esquema de segurança montado para receber Obama e sua comitiva inclui norte-americanos de um lado e brasileiros do outro, com a Polícia Federal, as Forças Armadas, o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar.

Por onde Obama se deslocar, mesmo em pequenas distâncias como do Palácio do Planalto para o Itamaraty, que é menos de um quilômetro, batedores das Forças Armadas cercarão o carro, ao lado de policiais federais e seguranças norte-americanos. O mesmo ocorrerá com os carros onde estarão Michelle Obama e as filhas Malia e Sasha.

Na manhã do dia 19, quando Obama e a delegação dos Estados Unidos estiverem no Palácio do Planalto, o esquema de segurança ficará sob responsabilidade do general Marco Antônio Amaro dos Santos - que é o chefe da segurança pessoal de Dilma.

Edição: Graça Adjuto
 

Leia Também