EXPOSIÇÃO

O transitório nas telas de Patrícia Helney

O transitório nas telas de Patrícia Helney
01/09/2010 09:29 -


OSCAR ROCHA

Nos últimos meses, a artista plástica Patrícia Helney, com mais de 30 anos de carreira, aceitou o desafio de produzir telas tendo como mote o estudo do comportamento humano feito por Freud, Lacan, Jung, entre outros. O resultado poderá ser conhecido a partir da próxima quarta-feira, no Espaço Cultural da Unipsico.
Batizada “Transitoriedade”, a exposição reúne 15 telas, apresentando técnicas variadas, passando do acrílico sobre tela às colagens e pesquisas de novas texturas. Se do ponto de vista estético as obras apresentam ampla utilização de material, na parte teórica a artista buscou conceituar as imagens em torno da transitoriedade das sensações, emoções e momentos do cotidiano.
“A vida é transitória em muitos sentidos, nas escolhas, nas mudanças, nas emoções; pude mostrar isso em imagens originárias da maternidade, das fases do homem, da sexualidade, da cultura indígena, entre outras”, explica Patrícia. Os estudiosos da Psicologia, como Freud, também estão representados. “Não utilizei somente a imagem, procurei colocar elementos do pensamento dele na tela”.
Adepta de terapias psicológicas, considera que elas são elementos primordiais da transformação humana. “Sou antenada com o momento que o mundo vive, que é de transformação para algo melhor, por isso é necessário pensar melhor, estar em equilíbrio, ter nova consciência e isso surge do estudo de si mesmo”, avalia.
Além desta exposição na Unipsico, Patrícia iniciará outra nos próximos dia. O espaço será a Morada dos Baís, que no dia 8 de setembro receberá 15 trabalhos da artista. Ao contrário de “Transitoriedade”, na qual as definições das imagens estão presentes, a intenção na nova empreitada é explorar a busca da forma por meio da abstração. “Quem acompanha meu trabalho terá uma surpresa. É como se fosse a exploração das minhas obras”.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".