quarta, 18 de julho de 2018

NOVA MENTALIDADE

O que as empresas buscam além da formação acadêmica?

3 OUT 2010Por Cleidson Lima00h:00



Há poucas décadas, ter um curso superior ou uma pós-graduação eram grandes diferenciais competitivos. Hoje, com o mercado altamente competitivo e a necessidade maior de capacitação, o que antes era um diferencial tornou-se praticamente um perfil padrão.
Mas para Marcelo Abrileri, presidente e sócio-fundador da Curriculum.com.br, o diferencial competitivo hoje não está na formação ou mesmo nos cursos de graduação, pós e MBA. Atualmente as empresas precisam de muito mais do que apenas profissionais formados. Elas precisam de pessoas capazes de ofertar várias competências simultaneamente, sendo que a formação é apenas uma delas.
Entre as competências relacionadas ao conhecimento, Abrileri destaca algumas:

Autodidatismo
A quantidade de informação nova que surge todos os dias é enorme, e não estar atento a ela é ficar desatualizado perante o mercado.

Saber se reciclar
A palavra de ordem do mundo atual é mudança. Por isso, muitas vezes o que se aprendeu na escola não é mais adequado e precisa ser reciclado.

Prática na execução
Por isso, experiências anteriores também acabam sendo bastante importantes.

Capacidade de agregar
Isso se aplica a novos conhecimentos por meio das experiências obtidas com as pessoas que conheceu e com quem interagiu. As empresas modernas têm a visão que todo somos professores e alunos ao mesmo tempo.

Segundo idioma
O inglês é o mais importante dentre eles. Grande parte da literatura técnica em muitas áreas e muito conteúdo disponível na Internet está em inglês.

Informática
Ter familiaridade com o computador ajuda muito a desempenhar bem a maioria das funções e a dar continuidade ao aprendizado nesta área.

Outro tipo de competência importante enfatizada por Marcelo Abrileri é a relacionada a valores. Para ele, algumas são de extrema importância ao contratar um novo talento.

Valores morais e éticos
Principalmente para cargos de liderança, pois já se foi o tempo em que o chefe era alguém que mandava. Hoje o gestor é aquele profissional que representa um exemplo a ser seguido por todos.

Coragem
Isso mesmo! Coragem para tomar decisões e correr o risco de errar: em vez de profissionais que vivem se escondendo atrás de atitudes burocráticas e medrosas.

Outras competência também são importantes quando o assunto é tornar-se interessante e indispensável para a empresa, segundo Abrileri, dentre as quais estão:
Criatividade
Não se aprende a ser criativo na escola. Criatividade tem a ver com a liberdade de pensamento. É se permitir, inovar, arriscar e até mesmo se expor ao ridículo. Hoje as empresas precisam de respostas e saídas criativas para os novos problemas que surgem.

Boa comunicação
Articular corretamente as ideias, concatenar assuntos, estabelecer relações lógicas, coerentes e claras entre os fatos, assim como saber se expressar bem através da escrita.

Por fim, as competências relacionadas ao comportamento talvez sejam as mais importantes, pois a maioria dos profissionais é admitida em função do conhecimento, mas, em geral, demitida por mau comportamento.

Inteligência emocional
É maior a necessidade de interagir e de agir como equipe e saber se relacionar é fundamental na formação de equipes fortes e unidas.

Capricho e zelo
Toda empresa deseja um profissional que desempenhe suas funções com esmero e capricho.

Ação para resultados
Não se aprende na escola ser proativo e disposto a perseguir suas metas.

Simpatia
Ser cortês, não falar mal dos outros, não participar de fofocas, ser prestativo e estar sempre pronto a ajudar. Tudo isso ajuda muito para que as coisas fluam e amizades sejam conquistadas.

Espírito empreendedor
Ser responsável e gerir seu “pedaço”, seu tempo, suas tarefas, organizar-se para que possa render.

Resiliência
Este termo hoje é muito utilizado na psicologia, principalmente na organizacional, e significa a capacidade do indivíduo em lidar com problemas, superar obstáculos ou resistir à pressão e situações adversas (choque, estresse) sem surtar e, principalmente, conservando posteriormente o mesmo perfil psicológico.

Marcelo Abrileri chama atenção para que, em meio a tantas coisas importantes, uma formação torna-se apenas mais um item e, em alguns casos, pode ser até mesmo secundário. "Não quero dizer com tudo isso que a formação não é importante. Mas gostaria de mostrar por que a formação apenas não é suficiente para constituir um bom profissional", explica.
O fundador do Curriculum.com.br lamenta que a maioria dos departamentos de RH das empresas ainda não tenha percebido isso e continua endeusando certos profissionais simplesmente porque estes se formaram em universidades ditas como “de primeira linha”, preterindo outros excelentes candidatos pelo simples fato de estes não terem um diploma nestas universidades. "Todos devem enxergar os outros pontos tão importantes quanto este e procurar se aprimorar e melhorar o máximo possível em todos eles" complementa.

Leia Também