Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

O grande projeto

23 MAR 10 - 08h:05
Há anos fala-se, e muito, na revitalização do centro de Campo Grande, um projeto orçado em impressionantes R$ 318 milhões. Dinheiro para isso, porém, não existe. De mais concreto, somente a promessa de verbas federais e empréstimo internacional. Enquanto isso, gasta-se tempo e dinheiro elaborando projetos mirabolantes. Quase tudo fica à espera da grandiosa intervenção. Nem mesmo a reforma e liberação de um simples banheiro público no centro da cidade é possível. A chamada onda verde no sistema de semáforos, que durante mais de dois anos passou por processo de sucateamento no aguardo desta megarrevitalização, chegou a ser implantada no ano passado, mas aos poucos está deixando de funcionar e os motoristas voltam a enfrentar a situação anterior, com a diferença de que agora o tempo de espera no sinal vermelho em determinados cruzamentos está bem maior que antes. Pelo menos o asfalto das principais vias centrais será recapeado neste ano, anunciou o prefeito no final de 2009, indicando que isto não dependeria do “grande projeto”. Porém, o período de estiagem está chegando e nada mais se falou a respeito. O dinheiro, em torno de R$ 8 milhões, do “prefeito” Lula, ainda não está garantido. E, não é somente a intervenção no centro que patina. As obras iniciadas também andam a passos lentos. O terminal intermodal, o aterro sanitário, as obras contra enchentes no Rio Anhanduizinho e o complexo Imbirussu-Serradinho falam por si. A enxurrada já destruiu aquilo que estava concluído e na outra ponta os trabalhos ainda estavam longe do fim, e também já ruíram. Projetos mais recentes, como nas margens dos córregos Cabaça e Segredo também andam a passos de tartaruga. E, não se trata simplesmente de uma questão de demora, é um problema econômico, pois qualquer empreendimento acaba saindo bem mais caro por conta das constantes paralisações. A infinidade de vezes em que a água destruiu os trabalhos inacabados no Anhanduizinho não deixa dúvidas com relação a isso. O intrigante, nisso tudo, é que tanto a revitalização do centro (o grande projeto) quanto as outras obras que não conseguem chegar ao fim, dependem de recursos “externos”. Em 9 de março de 2008 surgiu enorme cratera próximo ao Hospital São Julião. Apesar da ajuda federal, ela completou seu segundo aniversário e até agora a via de acesso ao hospital não foi completamente reconstituída. Agora, para refazer a Rua Ceará e a Avenida Ricardo Brandão, mais uma vez apela-se aos recursos federais, os quais normalmente demoram a chegar e que acabam recebendo a “culpa” pela lentidão dos trabalhos. Horas antes de o temporal de 27 de fevereiro deste ano detonar parte da cidade, a administração municipal anunciava, orgulhosamente, que o IPTU deste ano já havia rendido mais de R$ 50 milhões e que quantia semelhante entraria ao longo do ano, já que a adimplência havia atingido nível impressionante, acima de 83%. Além disso, a economia está recuperando o vigor de 2008, o que significa que os repasses de ICMS e do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) também estão “bombando”. Se a economia vai bem, a arrecadação de Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) também está a todo vapor. Diante disto surge um questionamento inadiável: o que está sendo feito com o dinheiro da arrecadação municipal?
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Câmeras de reconhecimento facial começam a ser instaladas nesta semana na 14 de Julho
SEGURANÇA

Câmeras de reconhecimento facial começam a ser instaladas nesta semana na 14

Tereza Cristina firma acordo técnico na Alemanha, passa por Itália e segue para a Índia
INTERNACIONAL

Tereza Cristina firma acordo técnico na Alemanha, passa por Itália e segue para a Índia

Município estuda agilizar emissão de notas para campanha de prêmios
SERVIÇOS

Município estuda agilizar emissão de notas para campanha de prêmios

Bolsonaro escala General Mourão para combater desmatamento na Amazônia
SELVA

Bolsonaro escala General Mourão para combater desmatamento na Amazônia

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião