Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 21 de novembro de 2018

GIRASSOL

O contraste do florescimento com a drástica cena da perda

2 JUL 2012Por JOVEM SUL NEWS00h:00

A doença ataca toda a planta, principalmente no capítulo, já no início do florescimento, onde é mais visível no enchimento de grão, prejudicando a produtividade. Há lavouras em que não compensa a colheita.

Produtores mais precavidos, que conseguiram aplicar corretamente o fungicida igualmente amargam significativas perdas e iniciaram a colheita. Na média estima-se que a metade da produção está perdida.

A cultura do girassol na região custa ao produtor rural R$1.100,00 em média, o equivalente a 20 sc/ha. Uma lavoura bem conduzida, livre de pragas e doenças pode produzir 30 sc/ha.

As primeiras lavouras colhidas apresentam uma produção de 15 sc/ha. A expectativa é de que as mais tardias podem render mais ao produtor. A produção será menor, mas a qualidade do grão certamente será superior, já que as chuvas cessaram no final de junho e neste início de julho.

O paradigma existente de que o girassol é agente altamente proliferador do mofo branco não procede, segundo os técnicos. Outras culturas, mesmo de inverno, como a crotalária, nabo forrageiro, feijão, soja, algodão, entre outras, igualmente são vítimas da doença e contribuem para a multiplicação e contaminação dos campos pelo fungo, com exceção das gramíneas, como arroz, milho e capim.


Por Norbertino Angeli

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também