Novo presidente do STF decidirá sobre intervenção no Distrito Federal

Novo presidente do STF decidirá sobre intervenção no Distrito Federal
10/04/2010 21:16 -


brasília

 

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, afirmou ontem, contrariando declaração anterior, que "não haverá tempo" em sua gestão, que se encerra no dia 23 deste mês, de tomar decisão em torno do pedido de intervenção federal no Distrito Federal, feito pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel.

Gilmar Mendes acrescentou, segundo a Folha Online, que a questão, de qualquer forma, "estará em boas mãos", referindo-se ao ministro Cezar Peluso, que vai assumir a presidência da Corte, e que ficará encarregado de tomar a decisão.

Gurgel, por sua vez, disse no STF, ontem pela manhã, que ainda está trabalhando no segundo pedido de informações que Gilmar Mendes fez sobre o pedido de intervenção federal no DF. Ao falar da expectativa em torno da soltura do ex-governador José Roberto Arruda, que está preso na Polícia Federal (PF), o procurador opinou que "a situação no DF ainda é grave", mas que o Judiciário "não tem intenção de manter Arruda preso indefinidamente".

Para o procurador, a decisão de Arruda de ficar calado durante depoimento na PF pesou negativamente contra ele. Na ocasião, o ex-governador alegou que não iria responder a perguntas, atendendo a conselho de seu advogado.

Roberto Gurgel informou que ainda está estudando documentos que recebeu da PF sobre a Operação Caixa de Pandora, a propósito do segundo pedido de informações de Mendes.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".