Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Novo presidente do Paraguai pede que parlamentares aprovem pacote econômico

27 JUN 12 - 20h:00AGÊNCIA BRASIL

O recém-empossado presidente do Paraguai, Federico Franco, pediu hoje (27) a senadores e deputados que aprovem o pacote de investimento e crédito de US$ 480 milhões.

O pacote é considerado fundamental para estimular a economia e financiar projetos de infraestrutura, como construção de estradas, durante a gestão de Franco até agosto de 2013, quando deverçao ocorrerão novas eleições no Paraguai.

Os parlamentares não aprovaram a medida no governo de Fernando Lugo, destituído da presidência do país pelo Congresso, na semana passada, sob a acusação de mau desempenho no cargo.

"Existem US$ 480 milhões nas mãos de vocês", disse Franco, referindo-se aos empréstimos de agências internacionais e bancos privados que o país pode receber caso sejam aprovados pelos parlamentares, segundo informações da agência pública de notícias da Argentina, Telam.

Franco voltou a defender o processo de impeachment que levou à derrubada de Lugo do poder, além de rechaçar as acusações de que foi um golpe de Estado. “Há alguns dias, como consequência de um procedimento constitucional e legal, houve uma mudança de chefia no Paraguai”.

No entanto, a velocidade com que o ex-bispo católico foi retirado da Presidência – o processo durou cerca de um dia – é alvo de críticas internacionais, principalmente dos países vizinhos ao Paraguai.

Os chefes de Estado do Mercosul e da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) vão se reunir na próxima sexta-feira (29), em Mendoza (Argentina), para discutir a crise no Paraguai e decidir se sanções econômicas e políticas serão adotadas contra o país. Os paraguaios já foram suspensos provisoriamente do Mercosul e não poderão participar da cúpula.

A Organização dos Estados Americanos (OEA) decidiu ontem (26) enviar uma missão ao Paraguai para avaliar a crise antes de tomar uma posição. O grupo será encabeçado pelo secretário-geral da entidade, José Miguel Insulza.

Mais cedo, o ex-presidente Fernando Lugo, que montou um “governo paralelo”, disse que irá apresentar provas à missão da OEA de que o processo de impeachment foi conduzido de maneira inadequada. Lugo acusa o novo governo paraguaio de promover uma desinformação sobre o caso e ser o “responsável exclusivo” por possíveis sanções a serem adotadas por organismos internacionais e países contra o Paraguai.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Imasul retira e monitora peixes que habitavam lago do Parque das Nações Indígenas
CAMPO GRANDE

Imasul retira e monitora peixes que habitavam lago do Parque das Nações Indígenas

Governo abre inscrições para professores temporários
OPORTUNIDADES

Governo abre inscrições para professores temporários

PAGOU O PATO

Homem é esfaqueado 5 vezes após briga de mulheres

Marido inconformado quis se vingar de briga
Escolas da rede municipal contarão com lousas digitais
CAMPO GRANDE

Escolas da rede municipal contarão com lousas digitais

Mais Lidas