Domingo, 18 de Fevereiro de 2018

POLIOMIELITE

Novo método diminui para uma semana a detecção do vírus

1 MAR 2011Por AGÊNCIA FIOCRUZ DE NOTÍCIAS00h:00

Foco de grandes campanhas anuais de vacinação, a poliomielite foi erradicada do país há 16 anos. O esforço de monitoramento sobre a possível reintrodução do vírus, no entanto, permanece como uma preocupação constante. Referência nacional e internacional para o tema e responsável pela vigilância epidemiológica da doença no Brasil e no Peru, o Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) acaba de aperfeiçoar o método de detecção do vírus. Mesclando a técnica indicada como padrão pela Organização Mundial da Saúde (OMS) com técnicas moleculares, o procedimento desenvolvido pelo IOC reduz de três para uma semana o tempo para o resultado final, além de identificar o sorotipo de poliovírus ou de outro enterovírus (gênero ao qual os poliovírus pertencem) presente na amostra.

“Os poliovírus, conhecidos por causar a poliomielite, são os mais graves dentre os enterovírus. Porém, a doença é um evento muito raro. De mil pessoas infectadas com o vírus selvagem, somente uma ou duas irão desenvolver a doença paralítica. As outras terão sintomas como os de um resfriado comum e também podem acontecer casos de meningite”, explica o pesquisador Edson Elias, chefe do Laboratório de Enterovírus do IOC. Um dos desafios para a vigilância da doença é justamente a rara manifestação de sintomas mais graves, abrindo espaço para que possa ocorrer a circulação silenciosa do vírus. Situações em que a cobertura vacinal não é adequada causam ainda mais preocupação. “Eventualmente, foi observado a partir do ano 2000 que, em ambientes com baixa cobertura vacinal, os vírus atenuados utilizados na composição da vacina podem sofrer mutações e readquirir o fenótipo neurovirulento, com potencial para causar doença como se fosse um vírus selvagem. No Brasil não há registro de casos deste tipo, já que a cobertura vacinal é adequada”, esclarece.

Segundo Edson Elias, o uso da técnica molecular PCR (sigla em inglês para reação em cadeia da polimerase) para realização de diagnóstico não é novidade, mas sua aplicação na detecção direta de vírus é inovadora. “A técnica que desenvolvemos é combinada, utilizando uma etapa inicial de propagação viral em cultivos celulares seguida de PCR e análise do material genético viral, por meio do sequenciamento nucleotídico”, descreve. Outras propostas de diagnóstico rápido baseiam-se apenas no uso de PCR em tempo real, mas, apesar de muito sensível, a técnica é mais cara e restringe-se a identificar a presença do poliovírus. Já na metodologia desenvolvida no IOC, é possível não só detectar a presença do poliovírus, mas também identificar seu sorotipo. E mais: o método identifica, ainda, se na amostra está presente outro tipo de enterovírus.

A técnica pode ser aplicada em amostras de fezes ou líquido cefalorraquidiano. Ela já está sendo utilizada de forma experimental no laboratório do IOC. “O vírus causador da poliomielite tem um grande poder de disseminação. Por isso, quanto mais rapidamente for detectado, mais eficientes serão as medidas tomadas para controle”, conclui o pesquisador. O novo método de diagnóstico, publicado na revista Journal of Clinical Virology, constitui-se numa alternativa a ser adotada na vigilância laboratorial da poliomielite.

Referência em controle e vigilância

Referência nacional e internacional para o tema, o Laboratório de Enterovírus do IOC teve participação decisiva no processo de erradicação da poliomielite: detectou, em 1986, que um surto de poliomielite no Nordeste era causado pelo sorotipo 3 do vírus, auxiliando no desenvolvimento de uma nova formulação para a vacina, que foi adotada pela OMS.

No Brasil, o último caso de poliomielite causado por vírus selvagem ocorreu em 1989. O país recebeu o Certificado de Eliminação da Poliomielite em dezembro de 1994. No continente americano, o último caso de poliomielite foi registrado no Peru, em 1991. O diagnóstico foi feito pelo Laboratório de Enterovírus do IOC, onde a amostra está armazenada. Três anos depois, o continente foi o primeiro a receber a certificação de erradicação da doença.

O processo de erradicação global da poliomielite está adiantado, porém a doença ainda é registrada na Índia, na Nigéria, no Afeganistão e no Paquistão. Além disso, mesmo nos países onde a poliomielite já foi eliminada, por deficiências na cobertura vacinal, pode haver, eventualmente, a reintrodução de vírus oriundos de regiões em que a circulação ainda ocorre. Daí a importância da continuidade das campanhas de vacinação. Campanhas nacionais de imunização são realizadas anualmente no Brasil. Em 2009, de acordo com o balanço do Ministério da Saúde, foi obtida uma cobertura vacinal de cerca de 97%, com mais de 30 milhões de doses aplicadas em crianças brasileiras menores de 5 anos.

Leia Também