Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Novo bilionário brasileiro vem da indústria de cosméticos

Novo bilionário brasileiro vem da indústria de cosméticos
19/01/2014 06:00 - Terra


A revista Forbes, que prepara anualmente a lista dos mais ricos do mundo, identificou mais um bilionário brasileiro. Segundo a publicação, Miguel Krigsner, fundador e atual dono de 80% do Grupo Boticário, entrará para o rol de bilionários do mundo neste ano, com fortuna avaliada em US$ 2,7 bilhões (cerca de R$ 6,3 bilhões).

Nascido na Bolívia, Krigsner chegou ao Brasil em 1961, formou-se em Farmácia e abriu a primeira loja em 1977 no centro de Curitiba, com investimento inicial de aproximadamente R$ 7 mil emprestados de familiares. Atualmente é a maior maior rede de franqueados de cosméticos do mundo, com 3,6 mil lojas no Brasil.

De acordo com a Forbes, os brasileiros são os maiores consumidores de desodorantes e perfumes no mundo, e o Grupo Boticário se beneficia disso ao focar na classe média, e atualmente também na camada mais baixa, com vendas por telefone, internet e de porta em porta. O grupo deve fechar 2013 com receita de US$ 3,4 bilhões.

O Boticário expandiu suas atividade recentemente com as marcas Eudora, quem disse, berenice? e The Beauty Box. Atualmente, o grupo emprega 6 mil colaboradores diretos e está em 1.750 municípios brasileiros, além de outros sete países. Somadas, as quatro bandeiras contam com 3.755 lojas, sendo que 248 foram abertas em 2013. A rede de franquias da marca O Boticário é a maior do Brasil, segundo a Associação Brasileira de Franchising, e a maior do mundo em cosméticos, segundo o Instituto Euromonitor International.

Felpuda


Considerados “traíras” por terem abandonado o barco diante dos indícios da chegada da borrasca à antiga liderança, alguns pré-candidatos terão de se esforçar para escapar da, digamos assim, vingança, velha conhecida da dita figurinha. Dizem por aí que há promessas nesse sentido, para que os resultados dos “vira-casacas” nas urnas sejam pífios. Sabe aquela velha máxima: “Pisa. Mas, quando eu levantar, corre!” Pois é...