Nove mulheres já reconheceram maníaco preso em Dourados

Nove mulheres já reconheceram maníaco preso em Dourados
27/02/2010 05:09 -


Nove mulheres, vítimas de estupro, já haviam reconhecido, até a tarde de ontem, Alexandre Cavalheiro da Silva, 33 anos, acusado de cometer uma série de abusos sexuais em Dourados nos últimos meses. Ele é casado, prestava serviços em uma usina de álcool e já cumpria, em regime aberto, pena pelo mesmo tipo de crime. Alexandre Cavalheiro foi preso em uma operação realizada por uma equipe do Serviço de Investigações Gerais (SIG) do 1º Distrito Policial. A polícia apreendeu uma motocicleta, luvas e as facas que ele utilizava para dominar as vítimas. O delegado Carlos Delano, responsável pelas investigações, não descarta a possibilidade de aparecimento de novas vítimas. Ele vinha sendo chamado em Dourados de “o tarado da motocicleta” e estava sendo caçado pela polícia desde o início do mês, depois que várias mulheres procuraram a delegacia do 1º DP para registrar queixa de estupro. Na noite de quarta-feira, Alexandre Cavalheiro finalmente foi preso, em casa, no Bairro Jardim Água Boa. Ele confessou ter cometido alguns dos estupros de que é acusado, mas negou a participação na maioria dos casos. O maníaco está preso em uma cela do 1º DP, mas será transferido para a Penitenciária de Segurança Máxima Harry Amorim Costa. Ele já havia cometido outros cinco estupros em Rio Brilhante.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".