Domingo, 25 de Fevereiro de 2018

CARROS

Novas taxas de juros ficam entre 1,6% e 2,5%

7 DEZ 2010Por INFOMONEY16h:30

As mudanças nas regras para concessão de crédito a pessoas físicas começam a alterar as tabelas de taxa de juros para financiamento de veículos, uma das modalidades mais afetadas pelas medidas do Banco Central divulgadas na última semana.

De acordo com o economista da Agência de Varejo Automotivo MSantos Ayrton Fontes as novas taxas variam de 1,6% ao mês a 2,5% ao mês, ante uma média de 1,4% ao mês.

“Se você comprar um veículo e não der entrada, você deve pagar uma taxa de juros de 2,5% ao mês”, avalia, considerando uma aprovação de crédito para um prazo de 60 meses de financiamento.

“É evidente que os bancos serão rigorosos para aprovar fichas sem entrada, pois, com taxas em torno de 2,5% ao mês, além do aumento do risco de crédito, o preço final do veículo vai às alturas”, avalia o economista.

Bancos estão avaliando tabelas

Consultados, os maiores bancos do País afirmaram, de maneira geral, que estão avaliando os impactos das medidas do Banco Central. 

O Banco do Brasil, por meio de sua assessoria de imprensa, afirmou que as taxas ainda não foram alteradas. “Estamos avaliando para saber se haverá necessidade de realinhamento”, disse a instituição.

Já a Caixa Econômica Federal afirmou também que ainda não fez quaisquer alterações e disse que não se manifestará ainda sobre as medidas do BC. O Itaú afirmou que ainda não tem quaisquer perspectivas se vai haver ou não alterações nas condições da linha para financiamento de veículo.

O Santander também deve alterar as taxas e prevê que a divulgação da nova tabela seja feita até o fim desta semana. Por meio de sua assessoria de imprensa, o Bradesco afirmou que "o banco não está operando com nova tabela e está avaliando". Já o HSBC ainda não possuía um posicionamento até o fechamento da matéria.

Mudanças

Na última semana, o Banco Central e o Conselho Monetário Nacional divulgaram novas regras para operações de crédito a pessoas físicas com prazos superiores a 24 meses.

As instituições aumentaram de 8% para 12% o compulsório e elevaram de 11% para 16,5% o requerimento de capital para as instituições financeiras poderem conceder o crédito.

O aumento do requerimento de capital das instituições financeiras incidirá sobre as operações de financiamento de veículos ou arrendamento mercantil de veículos nas seguintes situações.

  • Prazo entre 24 e 36 meses: quando o valor da entrada for inferior a 20% do valor do bem.

  • Prazo entre 36 e 48 meses: quando o valor da entrada for inferior a 30% do valor do bem.

  • Prazo entre 48 e 60 meses: quando o valor da entrada for inferior a 40% do valor do bem. 

Leia Também