terça, 17 de julho de 2018

TRABALHO

Novas indústrias vão gerar 84 mil novos postos no Estado

15 FEV 2011Por DA REDAÇÃO15h:26

O Conselho de Desenvolvimento Industrial (CDI) aprovou em quatro anos incentivos para 204 empresas com projetos de investimentos que superam R$ 29 bilhões, com previsão de gerar 84 mil novos postos de trabalho.

“É um avanço extraordinário em relação à realidade anterior, haja vista que nos oito anos anteriores, o CDI aprovou projetos que, juntos, somaram investimentos de R$ 1,8 bilhão. Em quatro anos, o valor dos investimentos aprovados cresceu 1.500%”, argumentou o governador André Puccinelli durante discurso na Assembleia hoje.

Em seu discurso, o governador lembrou que nos seus primeiros quatro anos de governo, uma das suas principais preocupações foi gerar empregos e oportunidades para as pessoas “Com o objetivo de atender à demanda de um mercado cada vez mais exigente e competitivo, foram implantados 28 Centros Integrados de Atendimento ao Trabalhador (CIATs), como instrumento para orientar, qualificar e reciclar a força de trabalho do Estado”, informou.

O governador afirmou que Mato Grosso do Sul ruma ao desenvolvimento diversificando sua matriz econômica com empreendimentos em setores como papel e celulose, floresta plantada, siderurgia, produção de açúcar, álcool combustível e bioenergia, além de investimento para promoção do setor turístico. Como exemplo, citou a fábrica de fertilizantes da Petrobras, que começará a produzir uréia e amônia a partir de 2014, em Três Lagoas.

Na mensagem, o governador lembrou que o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, confirmou que em 2010, Mato Grosso do Sul bateu o recorde de 14 anos em geração de empregos, criando 28 mil novos postos de trabalho, totalizando, nos quatro anos, 63 mil novos empregos com carteira assinada. “Os números confirmam que este é o caminho. Portanto, é imperioso dobrar as apostas no crescimento, uma vez que o consumo fortalecido garante prosperidade para todos”, afirma André.

Destacando sua preocupação com o desenvolvimento sustentável do Estado, o governador ressaltou que a dinamização do desenvolvimento socioeconômico de Mato Grosso do Sul acontece dentro de uma visão comprometida com a sustentabilidade, orientada por normas técnicas emanadas do Zoneamento Ecológico-Econômico do Estado (ZEE). Ele lembrou que também está concluída a segunda fase de elaboração do Plano Estadual do Zoneamento Agroecológico (ZAE), compreendendo estudos da bacia do Rio Paraguai, com análise do meio físico e socioeconômico para indicar as melhores opções para a exploração agrícola. “O Governo do Estado cria instrumentos de apoio à expansão racional das atividades econômicas, orientando o uso sustentável dos recursos naturais no processo de ocupação do território estadual”, afirmou






 

Leia Também