Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Novas enchentes desalojam mais de 64 mil pessoas no norte da China

22 AGO 10 - 10h:30
     

                                Mais de 64 mil pessoas tiveram que deixar suas casas no norte da China devido às fortes chuvas que causaram inundações nas margens do rio Yalu, na fronteira com a Coreia do Norte.

         Pelo menos 200 casas foram destruídas na cidade de Dandong e três pessoas estão desaparecidas, de acordo com a mídia estatal chinesa.

         Nos últimos meses, mais de 1,5 mil pessoas já morreram devido às chuvas e deslizamentos na China, que enfrenta um dos verões mais chuvosos de sua história.

         Em Dandong, a água do rio Yalu rompeu um dique, inundando uma área industrial da cidade. Segundo informações, a principal ferrovia da região também teria sido interditada.

        As novas enchentes ocorrem após mais de 700 pessoas terem morrido em deslizamentos de terra na Província de Gansu, na semana passada.

         Os serviços de meteorologia preveem mais chuvas neste final de semana.

                                

                                Coreia do Norte

         As enchentes também estão afetando o lado norte-coreano da fronteira, atingindo principalmente a cidade de Sinuiju.

        De acordo com a agência estatal de notícias da Coreia do Norte, KCNA, a água invadiu casas, prédios públicos e plantações em cinco vilarejos próximos à cidade.

        Homens das forças armadas foram enviados para o local para ajudar as vítimas das enchentes, segundo a KCNA.

        A cidade de Sinujui situa-se em uma rota comercial vital para a Coreia do Norte e enchentes anteriores já causaram problemas para o país, onde milhões de pessoas morreram de fome nas últimas décadas.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ASILADO NO MÉXICO

Em novo dia de protestos, Evo diz que pode voltar à Bolívia para 'pacificar' país

BRICS

Reformas vão tornar Brasil mais atrativo a negócios, diz Bolsonaro

Dólar vai a R$ 4,18 e tem maior cotação desde setembro de 2018
MERCADO FINANCEIRO

Dólar vai a R$ 4,18 e tem maior cotação desde setembro de 2018

Salário de negros teve queda ao mesmo tempo em que brancos ganharam mais
DESIGUALDADE SOCIAL

Salário de negros teve queda ao mesmo tempo em que brancos ganharam mais

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião