Terça, 16 de Janeiro de 2018

Nova aposta da Record

2 MAR 2010Por 05h:54
Depois de consolidar suas novelas, a Record agora aposta em produções mais curtas, feitas com mais qualidade técnica e cuidados. E a primeira estreia nesta quarta, dia 3, às 22 h. “A história de Ester” é uma minissérie em 10 capítulos que narra a trajetória de uma órfã judia criada pelo tio que se torna a rainha da Pérsia depois que o rei a escolhe. Para retratar o período narrado, cerca de 400 a.C., a equipe fez uso de grandes cenários, tapetes persas, roupas inspiradas na época e, é claro, muitos efeitos visuais. Principalmente nas cenas de batalhas. “Gravamos com o ator sozinho e, depois, os personagens foram multiplicados”, explica João Camargo, diretor geral da produção escrita por Vivian de Oliveira. A história começa mostrando a vida de Hadassa – verdadeiro nome da mocinha Ester, interpretada por Gabriela Durlo. A jovem teve os pais mortos em uma perseguição dos amalequitas aos judeus ainda criança e foi criada pelo tio Mordecai, de Ewerton Castro. Anos mais tarde, depois que a rainha Vasti, de Daniela Galli, é expulsa do reino, é uma das moças convocadas para que o rei Assuero, vivido por Marcos Pitombo, escolha sua nova mulher. Por isso, troca seu nome para Ester, escondendo sua origem judia. A partir daí começa o romance entre os dois e, assim, a chance de Ester de salvar seu povo da ira do vilão Hamã, conselheiro do rei interpretado por Paulo Gorgulho. “Por mais que a história seja da Bíblia, o foco está todo no romance do casal e em como essa mulher se tornou uma heroína”, deslumbra- se Gabriela, estreante na posição de protagonista. Os cuidados em “A história de Ester” lembram muito os utilizados pela Globo na hora de produzir e lançar suas minisséries. Primeiro, a equipe ficou mergulhada na história e no período retratado, participando de “workshops”, com direito a aulas de equitação e história, por exemplo. Além disso, enquanto em uma novela é comum que se grave cerca de 30 cenas por dia, a equipe pôde se dedicar ao máximo em cada “take”, reduzindo esse número para algo em torno de quatro ou cinco diárias. “É completamente diferente de tudo que eu já fiz. Você tem tempo para se preparar, é um outro tipo de cuidado. Não que uma novela não mereça, mas não existe tempo hábil para isso em um trabalho longo”, explica Marcos Pitombo. A equipe garante que não existe o interesse de defender conceitos religiosos no texto, apesar da emissora ser ligada à Igreja Universal do Reino de Deus. Mas a maior parte dos atores confessa que, assim que recebeu o convite, sentiu essa preocupação. “Acho uma coisa normal porque nenhum ator deve se envolver, defender qualquer ponto de vista. O melhor é ficar neutro. Mas assim que eu li os capítulos, percebi que a minissérie está isenta de qualquer defesa religiosa”, atesta Vanessa Gerbelli, que encarna a feiticeira Zeres. A emissora ainda não sabe qual, mas já a partir de março um novo texto bíblico entrará em pré-produção. “Vamos nos reunir e escolher. Provavelmente, a partir de junho já teremos uma nova minissérie sendo gravada aqui no Rio”, adianta Hiran Silveira, o diretor de teledramaturgia da Record. A autoria, ele já confirma, também será de Vivian de Oliveira. “Ao contrário do que saiu em alguns veículos, só crescemos nessa área. Estamos produzindo minisséries e já no mês que vem começaremos os trabalhos da próxima novela em parceria com a Televisa”, completa Hiran.

Leia Também