Campo Grande - MS, sexta, 17 de agosto de 2018

Vagas

Notícias » Notícias Mesmo sem provas federais, vale continuar estudando para concursos

27 MAR 2011Por Terra19h:25

Preparação é tudo para quem quer uma vaga no serviço público, especialmente depois da suspensão de todos os concursos federais devido ao corte de gastos do governo - os candidatos devem migrar para disputas estaduais e municipais, o que acirrará ainda mais a concorrência. O psicólogo Fernando Elias José explica que, em primeiro lugar, o candidato deve saber qual o seu objetivo, qual o prova que quer passar e então deve buscar informações sobre esse exame.

Mesmo sem as vagas federais, José acredita que vale a pena continuar focado nos livros. "O estudo é uma construção, não dá para retomá-lo de uma hora para outra quando os editais forem lançados", afirma. A dica do especialista é continuar se preparando. O estudante pode redirecionar o foco para uma prova estadual ou municipal para não se desestimular, caso não haja uma previsão a curto prazo para concursos federais. O psicólogo lembra ainda que a Copa do Mundo e as Olimpíadas tornarão fundamental a abertura de vagas. "Dificilmente será possível não realizar concursos para órgãos federais, por causa da necessidade de profissionais envolvidos nesses eventos internacionais", diz

Para os que desejam continuar estudando, é importante montar um cronograma de estudos e escolher entre estudar sozinho ou fazer um curso preparatório. José ressalta que o foco é o grande aliado do 'concurseiro', já que passar na prova é uma meta a longo prazo. "Não se consegue de uma hora para a outra. Por isso, essa é uma corrida de resistência e não, de velocidade", compara.

Lísia Testa é estudante de Direito, mas já pensa em uma vaga de analista do Tribunal Regional do Trabalho do Rio Grande do Sul (TRT-RS). "Gosto de resolver processos e trabalhar diretamente com juízes e desembargadores", afirma. Além disso, em comparação com a iniciativa privada, a porto-alegrense acredita que o funcionalismo público paga melhor e não exige experiência prévia para a função. Para obter êxito, Lísia passa as manhãs, as noites e os fins de semana em cima dos livros.

Ela decidiu separar as matérias de maior peso na prova para estudar pela manhã, quando está mais descansada e tem mais tempo, em torno de três horas e meia. "Nos estudos que valem menos, me fixo à noite por uma hora e meia. Sempre com intervalos frequentes de 10 ou 15 minutos", conta. Como a futura analista fez, é necessário se informar a respeito da rotina do trabalho e ter a certeza de que aquele ali é o seu objetivo. "Depois disso, é necessário entrar no edital, porque, a partir dele, se saberá as regras do concurso", diz José. É no edital que se encontrará que conteúdos o estudante deve se concentrar.

"Quanto mais subsídios o concursando tiver, menos ansiedade ele vai sentir durante a preparação", acrescenta o especialista. Porém, nem todo mundo tem tanta persistência. Assim, achar uma motivação pessoal durante a jornada é muito importante para obter sucesso. "Ao contrário do trabalho, o esforço nos estudos não terá uma contrapartida financeira imediata", explica. Uma saída é fazer metas diárias, para haver a sensação de dever cumprido com frequência.

Se a vaga é de nível médio, o especialista afirma que é possível ter boa colocação sendo autodidata. "Só que o candidato tem que estar preocupado com a qualidade do estudo", pondera. Estar informado das notícias e pesquisar muito são requisitos fundamentais nesse caso, já que é no cursinho os professores vão oferecer essas dicas para os alunos. Porém, para concursos de nível superior, que são bastante específicos, José aconselha um curso preparatório.

Uma armadilha para os muito focados é exagerar na dose. Muitos candidatos deixam o lazer de lado com a ideia de que, depois do concurso, a vida vai voltar ao normal. Porém, como não há prazo para passar na prova, o psicólogo aconselha não abrir mão do equilíbrio entre convívio social e estudo para chegar lá. Lísia até confessa que às vezes passa do ponto. "É muita matéria para pouco tempo, e não basta ler só uma vez o conteúdo: tem que saber a resposta só de olhar a pergunta ou não sobra tempo pra fazer a prova inteira e a redação. Então, até a data da prova, só pretendo comparecer aos eventos mais inadiáveis", lamenta Lísia.

Outro erro comum entre os 'concurseiros' é se lançar em todos os exames que aparecem, com a ideia de que 'é uma oportunidade'. Entretanto, por não estar bem preparado para aquele edital, a oportunidade se torna frustração. "Cada concurso tem as suas regras, é muito pontual. Então o melhor é se focar em apenas um", aconselha.
 

Leia Também