Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

NO RIO GRANDE DO NORTE - Praia de Pipa se divide entre a natureza e o crack

29 AGO 10 - 17h:45
      Roberta Trindade - Repórter   O lugar é paradisíaco, o mar, o verde, as ruas estreitas, o jeito acolhedor da praia de Pipa envolve turistas e nativos. Caminhar pela orla marítima, tomar uma água de coco sentado na praça ou simplesmente ir à noite para a balada. Não tem quem não se apaixone pela região. Sem contar com o peixe frito, o camarão no alho e óleo, a cerveja gelada. Os turistas amam. Noruegueses, americanos, italianos, espanhóis. Eles chegam e logo estão adaptados ao meio, mas não é só de alegrias que vive este lugar  cheio de encantos. Quem escolhe Pipa para passar férias ou para morar tem que conviver com o ?mal do século? - o tráfico de drogas. A reportagem da Tribuna do Norte esteve em Pipa e todos os entrevistados possuem a mesma opinião. O problema da localidade foi detectado como sendo uma pedrinha branca que até parece inofensiva, mas que causa um mal gigantesco a toda sociedade ? o crack. Na praia de Pipa circula o panfleto: ?Violência em Pipa e em Tibau do Sul?. Quem escreveu e distribuiu para a população, sem dúvida queria protestar. Em um dos parágrafos consta a seguinte frase: No prazo de um ano foram assassinados na praia de Pipa três turistas. Um sueco, um alemão e agora (23 de agosto) uma portuguesa.  Onde estão os assassinos? A passividade da população é incrível. Ninguém protesta. Ninguém faz nada!        Ana Lúcia Dias Marinho, 26 é nativa e trabalha como domestica. Ela afirma que a situação de Pipa é preocupante por causa do tráfico que ocorre diariamente. Quem quer maconha, crack ou até cocaína consegue facilmente sem ter que gastar a sola da sandália. É muito fácil encontrar quem indica o lugar ou a pessoa certa para vender o entorpecente. Pontos de drogas não faltam. ?O problema é que a polícia prende os traficantes em um dia e solta no outro?. Para Raissa Penner,19, vendedora, a situação é gravíssima. ?Sem dúvidas, o que estraga a região é mesmo o crack. A polícia não dá conta?. Guido Penner, 45 pai de Raissa vai mais fundo e acredita que existe solução para o problema. ?Se  tivesse um trabalho verdadeiro da polícia, não seria desta forma?. Para Guido que conhece boa parte do país e já morou na Itália falta iniciativa. Vontade política para que o problema do tráfico de drogas seja exterminado na região. Já para o gerente de restaurante João Batista de Melo todo mundo sabe onde vende droga. ?Durante a noite é muito pior. Os turistas se envolvem com drogados porque querem o crack, a maconha, mas depois ocorre o pior. São assaltados. Quem procura acha mesmo?. João conta que todos os dias caminha cerca de dois quilômetros para chegar até o trabalho e nunca foi assaltado. ?Só tem assalto porque tem o crack?.         
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Tecnologia terá recursos <BR>de R$ 56,7 milhões para inovação
PROJETO

Tecnologia terá recursos de R$ 56,7 milhões para inovação

Gravidez na adolescência <br> diminui em Campo Grande
2018

Gravidez na adolescência diminui em Campo Grande

Abandonadas, obras de 16 escolas vão custar mais
PARADAS

Abandonadas, obras de 16 escolas vão custar mais

Sob ameaça de represa, distrito de Cocais enfrenta saque
CIDADE HISTÓRICA

Sob ameaça de represa, distrito de Cocais enfrenta saque

Mais Lidas