Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

NO ACRE - Médicos poderão ser retirados de 18 municípios do Estado

29 AGO 10 - 08h:45
     

        As populações de 18 dos 22 municípios do Acre podem ficar sem assistência médica, caso não seja aberto o processo de revalidação dos diplomas dos médicos formados no exterior e que atuam de forma irregular nessas cidades. O alerta é do presidente da Associação Médica Nacional (AMN), Janilson Lopes Leite (foto).

        ?Hoje o Acre e um dos estados com menor número de médicos do Brasil e isso repercute diretamente na vida da população que precisa de atenção desses profissionais?, observa Janilson.

        Segundo ele, apesar da implantação do curso de Medicina pela Universidade Federal do Acre (Ufac), não houve um aumento desses profissionais no programa de saúde da Capital e no interior do Estado. ?Pelo contrário, houve uma diminuição até na Capital?, revela.

        De acordo com o presidente da AMN, é graças à ação dos médicos formados no exterior que a maioria dos municípios acreanos mantém atenção básica de saúde. Em virtude de decisão liminar em ação movida pelo Conselho Regional de Medicina (CRM), as prefeituras de Porto Acre, Acrelândia, Manoel Urbano e Feijó, tiveram que cancelar os contratos com esses profissionais.

        ?Nessas cidades o caos está instalado, e depois de julgado o mérito do processo, caso o juiz federal entender sua legitimidade, mais 14 municípios do Acre ficarão sem esses profissionais que ao todos somam 56?, declara Janilson.

        Para discutir essa e outras questões polêmicas acerca dos médicos formados no exterior, a Associação Medica Nacional está convocando médicos, autoridades competentes e a sociedade civil organizada, para um encontro no dia 6 de setembro, no auditório do Pinheiro Palace Hotel.

        ?A Ufac é peça chave nessa situação, pois é quem deveria está trabalhando no processo de revalidação de diplomas, mas até agora tem criado obstáculos. A AMN, apesar de ter buscado o construir um caminho legitimo e legal com a Ufac, tem encontrado muita resistência, fato que afeta diretamente quem está nas filas e doente precisando de uma consulta?, concluir Janilson.

         

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Alvos de ameaças, senadores contrários ao decreto de armas podem ter escolta

EDUCAÇÃO

Brasil perde liderança no ranking das melhores universidades da América Latina

BRASIL

Pesquisa mostra que 97% das mulheres já sofreram assédio em transporte

78 SETORES

Autorização para trabalho aos domingos e feriados será permanente

Mais Lidas