Campo Grande - MS, terça, 21 de agosto de 2018

Nikon no Brasil

28 ABR 2011Por bagarai03h:50

De olho no mercado aquecido, que consome cerca de 7 milhões de câmeras/ano e está ávido por novas tecnologias, a Nikon aporta no Brasil através de uma divisão da matriz japonesa com investimentos de US$ 10 milhões. A empresa deve comercializar suas linhas completas de produtos, com cerca de 300 itens, entre câmeras, lentes e acessórios.

Segundo Koji Maeda, presidente da unidade brasileira, a companhia, que atua no segmento de imagem desde 1917 e está presente em mais de 80 países, chega em um momento muito importante, em que o Brasil apresenta um grande crescimento no segmento de imagem e tecnologia. “O País tem uma expressiva base instalada, muitos apreciadores da marca Nikon, e sentimos que poderemos oferecer uma linha completa de produtos e acessórios, assistência técnica local e apoio aos usuários através do SAC para o nosso consumidor”, esclarece Maeda.

Com faturamento global estimado em ¥ 870 bilhões de ienes (US$ 10,5 bilhões de dólares) de Abril/2010 a Março/2011, a Nikon está investindo US$ 10 milhões na implantação da unidade brasileira. O presidente chama a atenção ainda para os eventos que o Brasil deve sediar nos próximos anos e que devem contribuir para uma gradativa evolução do mercado. “A Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, com certeza, vão desempenhar um papel fundamental na expansão do setor de imagem brasileiro”, avalia Maeda.

A princípio, a empresa vai focar suas atividades comercialização de sua linha completa de câmeras fotográficas, com modelos compactos; D-SLR (Digital Single Lens Reflex); além de lentes e demais acessórios. Este segmento representa o maior market share na linha de produtos da marca japonesa, equivalente a cerca de 70% do faturamento global. A expectativa da Nikon Brasil é tornar-se, dentro de três anos, um dos principais players do mercado brasileiro neste segmento. E, em dois anos, atingir 2000 PDVs, em todo território nacional, entre magazines, lojas especializadas e comércio online.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também