Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Neste ano, mais de 2 milhões trocaram de operadora mantendo o número do telefone

Neste ano, mais de 2 milhões trocaram de operadora mantendo o número do telefone
22/07/2010 03:00 -


     Entre janeiro e junho deste ano, 2,1 milhões de pessoas trocaram de operadora de telefonia sem mudar o número do telefone. De acordo com a ABR Telecom, instituição que administra a portabilidade numérica no Brasil, no primeiro trimestre foram realizadas 1,02 milhão de efetivações de portabilidade para telefones fixos e móveis, e, no segundo trimestre 1,08 milhão, número que representou um recorde no volume de migrações.
                
                Desde o começo da portabilidade numérica no país, em setembro de 2008, até o dia 30 de junho, 5,5 milhões dos pedidos de portabilidade numérica foram concluídos, sendo 70% para usuários de telefones móveis e 30% para assinantes do serviço fixo.
                
                O índice de eficiência da portabilidade numérica no país foi de 93,77% no mês de junho. Esse número considera tanto as migrações concluídas quanto as solicitações que estão aguardando o agendamento, os pedidos em processamento dentro do prazo regulamentar, as desistências de portabilidade por parte do usuário e a apresentação de documentação conforme é determinado pelo regulamento.
                
                Para trocar de prestadora e manter o número, o consumidor deve se dirigir à operadora para a qual ele quer migrar e pedir uma nova habilitação mantendo o número atual. A operadora antiga terá um dia útil para conferir os dados do usuário e o processo de portabilidade deve ser concluído até cinco dias depois da solicitação do consumidor.
                
                Na telefonia fixa, a portabilidade só poderá ser feita dentro da mesma área local ? município ou conjunto de municípios. Para os celulares, a manutenção do número será possível dentro da mesma área de registro ? que corresponde ao DDD.
                Entre janeiro e junho deste ano, 2,1 milhões de pessoas trocaram de operadora de telefonia sem mudar o número do telefone. De acordo com a ABR Telecom, instituição que administra a portabilidade numérica no Brasil, no primeiro trimestre foram realizadas 1,02 milhão de efetivações de portabilidade para telefones fixos e móveis, e, no segundo trimestre 1,08 milhão, número que representou um recorde no volume de migrações.
                
                Desde o começo da portabilidade numérica no país, em setembro de 2008, até o dia 30 de junho, 5,5 milhões dos pedidos de portabilidade numérica foram concluídos, sendo 70% para usuários de telefones móveis e 30% para assinantes do serviço fixo.
                
                O índice de eficiência da portabilidade numérica no país foi de 93,77% no mês de junho. Esse número considera tanto as migrações concluídas quanto as solicitações que estão aguardando o agendamento, os pedidos em processamento dentro do prazo regulamentar, as desistências de portabilidade por parte do usuário e a apresentação de documentação conforme é determinado pelo regulamento.
                
                Para trocar de prestadora e manter o número, o consumidor deve se dirigir à operadora para a qual ele quer migrar e pedir uma nova habilitação mantendo o número atual. A operadora antiga terá um dia útil para conferir os dados do usuário e o processo de portabilidade deve ser concluído até cinco dias depois da solicitação do consumidor.
                
                Na telefonia fixa, a portabilidade só poderá ser feita dentro da mesma área local ? município ou conjunto de municípios. Para os celulares, a manutenção do número será possível dentro da mesma área de registro ? que corresponde ao DDD.
                

Felpuda


Paixão política que extrapola o bom senso, chega nas redes sociais e se transforma em baixaria pode resultar em prejuízo no bolso. Isso foi o que aconteceu com autor de texto nada elogioso contra colega por diferenças em apoio a candidatos nas eleições de 2016. O dito-cujo foi condenado a pagar indenização de R$ 7 mil, com correção monetária e juros mensais a partir da publicação da sentença, além dos honorários advocatícios. Detalhe: os adversários daquela época hoje andam de braços dados. Pode?