Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Nelsinho dirá a Serra que seu apoio a Dilma é irreversível

12 MAI 10 - 00h:05
lidiane kober

O prefeito Nelsinho Trad (PMDB) vai deixar claro ao pré-candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, que é irreversível seu apoio à ex-ministra Dilma Rousseff (PT) na sucessão presidencial. Os tucanos de Mato Grosso do Sul estão decididos a promover um encontro entre Nelsinho e Serra com o objetivo de afastá-lo do palanque da petista. Mas, ontem, o prefeito reiterou que o plano do PSDB é inútil porque “ninguém fez mais pelo Brasil e pelos municípios brasileiros do que o governo do presidente Lula”.

O prefeito está disposto a conversar com Serra, no entanto, avisou que nada o fará mudar de ideia. Para ele, o País “avançou em função do governo de Lula”. “O povo está comprando mais, a classe pobre subiu de nível, a classe média está estabilizada. Só não enxerga quem não quer”, declarou. “E eu vou dizer tudo isso ao Serra”, completou.

A intenção das lideranças do PSDB é trazer o pré-candidato a Mato Grosso do Sul neste mês para oficializar a aliança com o PMDB. Na ocasião, Serra iria tentar convencer Nelsinho a apoiá-lo. A preocupação dos tucanos é evitar racha no palanque do PMDB, além disso, trabalham para transferir a popularidade do prefeito de Campo Grande ao pré-candidato do partido.

A esperança do PSDB é usar a influência do governador André Puccinelli (PMDB) para persuadir Nelsinho a mudar de lado. Mesmo mantendo posição irredutível, o prefeito não deixou claro como será o seu apoio a Dilma na eventualidade de o PMDB ficar com Serra. Ele reconheceu a importância de ouvir opinião das demais lideranças do partido para não entrar em choque com a campanha de André. “Não adianta você perguntar isso porque eu preciso ver a posição do governador, que ainda não tomou”, frisou.

Dessa forma, a princípio, Nelsinho deixou no ar a possibilidade de seguir o rumo de Puccinelli na eleição presidencial. Porém, em seguida  apressou-se em reforçar seu apoio a Dilma. “Não é isso que eu quis dizer. Eu quis dizer que isso é uma decisão de todo um grupo”, desconversou.
Apesar da saia-justa, isso, no caso de apoiar um candidato oposto ao PMDB na sucessão presidencial, Nelsinho mostrou-se tranquilo. “As coisas vão clarear mais para frente”, afirmou, em tom de mistério.

Campanha
Sobre a declaração do governador que o incluiu na lista de coordenadores de sua campanha à reeleição, Nelsinho simplesmente revelou-se agradecido. Indagado se a atividade não vai atrapalhar seu desempenho frente à Prefeitura de Campo Grande, ele prometeu atuar somente fora do expediente de trabalho. “Sempre que faço política, é pós-expediente. Das 7h às 17h eu sou prefeito. Depois, eu vou caminhar junto com os colegas para coordenar a campanha”, garantiu. (Colaborou Bruno Grubertt)
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

TRAGÉDIA

Última sobrevivente da tragédia de Brumadinho internada recebe alta

BRASIL

Bolsonaro diz ter certeza que Eduardo será aprovado em sabatina no Senado

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta sexta: "Solução inteligente"

ARTIGO

Guilherme Bellotti: "Safra 19/20: menos gordura e mais risco"

Analista de agronegócio

Mais Lidas