Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Neblina provoca caos aéreo na Capital

17 JUL 10 - 23h:27
Bruno Grubertt

Por conta da forte nebulosidade que encobriu o céu de Campo Grande desde a noite de quinta-feira, o Aeroporto Internacional de Campo Grande ficou fechado durante quase todo o dia e pelo menos 48 voos haviam sido cancelados até o começo da noite. O movimento de passageiros foi tão grande que a Polícia Militar chegou a ser acionada para evitar tumultos. O caos foi ainda maior porque os passageiros enfrentaram dificuldades para conseguir vagas em hotéis da Capital, que ficaram superlotados. Quem não conseguiu vaga, teve de enfrentar o frio e aguardar no saguão do aeroporto.

A estudante Patrícia Schettini, de 17 anos, precisa chegar hoje, antes das 11 horas a Brasília (DF). Ela está inscrita no vestibular da Universidade de Brasília (UnB) para Medicina e deveria ter partido ontem, em um voo que sairia às 6h45min. Por volta das 15 horas, ela ainda aguardava no saguão para embarcar. “Eles me colocaram numa lista de espera e disseram que eu posso embarcar em um voo que chega lá às 11 horas. Mas não tem condições, fica muito em cima da hora”, disse a estudante.

As filas dos guichês de todas as empresas estavam lotadas. Passageiros buscavam informações ou procuravam uma forma de cancelar seus voos e obter o reembolso do valor pago. Como o motivo do cancelamento dos voos era o mau tempo, não havia muita coisa a ser feita, já que nenhuma aeronave podia decolar ou pousar. “Vou pedir que a empresa pague hotel, refeição e táxi”, disse a advogada Marcela Wetzel Almeida, de 34 anos, que deveria ter voado para o Rio de Janeiro às 14h15min. Às 16 horas, ela ainda estava na fila do guichê.

Mãos atadas
De acordo com o superintentende do Aeroporto Internacional de Campo Grande, Autemar Lopes de Souza, em situações como a de ontem, não há o que fazer. Somente em aeroportos europeus os instrumentos instalados permitem pousos e decolagens com muita neblina. No Brasil, até mesmo os maiores aeroportos, como o Galeão, no Rio de Janeiro, e Congonhas, em São Paulo, há dificuldades para operar nessas condições.
De acordo com ele, a Anac opta sempre por investir em equipamentos mais modernos para os maiores aeroportos e onde os fechamentos por conta do mau tempo são mais frequentes. “Nós somos privilegiados. Aqui temos uma pista ótima e casos como este acontecem somente cerca de duas vezes ao ano”, justificou o superintendente.

Previsão
Ontem, as empresas informaram aos clientes que eles seriam remanejados para outros voos com o mesmo destino, mesmo que fossem de empresas diferentes. Muitos estavam preocupados porque não tinham onde passar a noite.
Nos hotéis Vale Verde e Indaiá, por exemplo, não havia mais vagas ontem, por volta das 19 horas. Segundo a funcionária Tiara Caroline Nogueira, muitos passageiros estavam procurando apartamentos, mas várias hospedagens tiveram de ser recusadas. Não havia informações sobre como as empresas resolveriam o problema.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Com demanda de volta, governo articula reativação de ferrovia
TRANSPORTE

Com demanda de volta, governo articula reativação de ferrovia

Polícia prende primeiro foragido; secretário de Segurança está em reunião com governador
FUGA EM MASSA

Polícia prende primeiro foragido; secretário de Segurança está em reunião com governador

Brasil “fecha” fronteira após fuga em massa
PRESOS DO PCC

Brasil “fecha” fronteira após fuga em massa

Estado tem 19 usinas de biocombustível
AGRONEGÓCIOS

Com 19 usinas, produção de biocombustível avança

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião