CÂMARA FEDERAL

Natan é cassado; veja como votou MS

Natan é cassado; veja como votou MS
12/02/2014 21:13 - DA REDAÇÃO COM AGÊNCIA CÂMARA


Em votação aberta na noite desta quarta-feira (12), o Plenário da Câmara dos Deputados cassou, por 467 votos favoráveis e 1 abstenção, o mandato do deputado Natan Donadon (sem partido-RO), acatando representação do PSB aprovada pelo Conselho de Ética e Decoro Parlamentar. Donadon cumpre pena na Penitenciária da Papuda, em Brasília.

Dos oito parlamentares de Mato Grosso do Sul, sete votaram pela cassação. O único ausente do Estado, segundo informações da Câmara Federal, foi o deputado Akira Otsubo (PMDB), que ocupa o cargo em substituição a Edson Giroto (PR), hoje licenciado por ser secretário de Obras da atual administração estadual.

Akira está internado no Hospital Alberto Einstein para retirada de pedra na vesícula e deverá receber alta esta semana.

 

 
Mato Grosso do Sul (MS)
Biffi PT   Sim
Fábio Trad PMDB   Sim
Geraldo Resende PMDB   Sim
Mandetta DEM   Sim
Marçal Filho PMDB   Sim
Reinaldo Azambuja PSDB   Sim
Vander Loubet PT   Sim

Condenação

Natan Donadon foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a 13 anos de prisão por formação de quadrilha e pelo desvio de cerca de R$ 8 milhões da Assembleia Legislativa de Rondônia. No ano passado, o Plenário manteve o mandato do parlamentar, mas ele foi afastado por decisão do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves.

Em sessão realizada em agosto do ano passado, a Câmara manteve o mandato do deputado porque houve apenas 233 votos a favor da perda de mandato. O mínimo necessário é de 257 votos. Na ocasião, a votação foi secreta.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".