POLÍTICA

Nando Mendes faz show-solo no “Cena Som”

Nando Mendes faz show-solo no “Cena Som”
15/07/2010 07:24 -


OSCAR ROCHA

O Barulho Zen está em estúdio. O grupo, que constrói suas canções a partir do rock e MPB, tem auxílio luxuoso do baixista Arthur Maia (Cama de Gato, Egotrip, Gilberto Gil) e Anderson Rocha (Mandioca Loca) na produção do primeiro álbum, previsto para ser lançado em outubro. Enquanto o disco não chega, o vocalista e compositor Nando Mendes faz apresentação especial hoje, às 20h, no Teatro Aracy Balabanian, dentro do Projeto Cena Som, com o show “Enquanto o barulho não vem”.
“Era para ser um show do Barulho Zen, mas achamos melhor deixar para a época do lançamento do CD. Com isso, resolvi fazer uma apresentação solo, diferente, dando ênfase ao formato acústico”, explica Nando. Mesmo que, oficialmente, a banda não esteja no palco, os músicos da formação também contribuirão em alguns momentos – Diegomar (guitarra) e Douglas Ciaparini (baixo) completam o Barulho Zen.
Além deles, Nando também chamou alguns nomes da cena musical do Estado: Márcio de Camillo – “com ele mostrarei duas músicas: uma minha e outra que ele fez” –, Marina Dalla – “cantaremos ‘Relicário’, do Nando Reis” –, Anderson Rocha – “ele é o nosso co-produtor e tocará guitarra em uma das minhas músicas”.
Além das composições próprias, também serão incluídas canções de artistas que influenciaram Nando, como Oasis e Zé Ramalho. “Coloquei no roteiro músicas que fazem parte da minha vida e que me emocionam”. O show contará com 14 músicas e terá abertura do músico Zé Geral.
O CD tem patrocínio do Fundo de Cultura de Mato Grosso do Sul e contará com 10 músicas. “O disco está chegando num momento decisivo das nossas vidas. Estamos juntos, batalhando nessa banda com muito amor e verdade. Temos um grande produtor nos puxando para cima em todos os sentidos. Acho que vamos tocar muitas almas com esse álbum”, afirma Nando.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".