Música ajuda vítimas do Haiti

Música ajuda vítimas do Haiti
07/02/2010 09:01 -


     

A gravação da música We Are the World, composta por Michael Jackson e Lionel Richie, que reuniu 45 artistas em 1985, entre cantores e instrumentistas, foi regravada nesta semana por uma nova constelação de 75 estrelas. Elas se reuniram após a 52ª edição do Grammy na segunda-feira e vararam a madrugada gravando canção e videoclipe (filmada pelo diretor Paul Haggis, roteirista de Menina de Ouro). A expectativa é arrecadar algo em torno de US$ 60 milhões, quantia equivalente à alcançada nos anos. Participaram Celine Dion, Barbra Streisand, Tony Bennett, Natalie Cole, Kanye West, Pink e Miley Cyrus, entre outros. Os filhos de Michael Jackson devem declamar um poema na introdução.

A música e o videoclipe estarão à venda na internet e nas lojas de discos tradicionais, e toda a receita será destinada ?diretamente' ao país caribenho por meio de uma nova associação, a Fundação We Are The World, garantem os produtores Lionel Richie e Quincy Jones.

Outra iniciativa de artistas musicais também está em andamento. Já começou a ser tocada em três sites uma regravação da canção Everybody Hurts, da banda REM, com o objetivo de arrecadar fundos para as vítimas da tragédia no Haiti.

Produzida pelo apresentador de TV Simon Cowell, do concurso de talentos American Idol, a música traz vozes de artistas como Susan Boyle, Jon Bon Jovi, Mariah Carey, Robbie Williams, Rod Stewart, Michael Buble, Kylie Minogue e Cheryl Cole. O download da canção já pode ser feito por meio dos sites hmv.com, play.com e amazon.co.uk. Os lucros serão revertidos para a ONG Helping Haiti, afirmam os organizadores.

O cantor Rod Stewart declarou que não consegue imaginar uma música que expresse tão bem o sofrimento dos haitianos como a balada Everybody Hurts, que já pode ser ouvida no YouTube.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".