Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

DIA DO RITMO

Museu do Frevo pertence a todo o Brasil, ressalta historiadora

10 FEV 14 - 18h:45AGÊNCIA BRASIL

O Brasil ganha novo museu, com foco no frevo, ritmo pernambucano agraciado em 2012, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), com o título de Patrimônio Imaterial da Humanidade. O Museu do Frevo foi inaugurado ontem (9), no Recife, na data comemorativa do dia do ritmo, que completa 107 anos. O museu está instalado no Paço do Frevo, na Praça do Arsenal.

A historiadora e assessora técnica da Secretaria Municipal de Cultura do Recife, Carmem Lélis, destacou hoje (10), em entrevista à Agência Brasil, que o Museu do Frevo transcende o Recife e Pernambuco, e passa a pertencer ao Brasil. “Ele transcende porque o frevo é uma música brasileira, assim como o choro, o samba, o forró. O frevo é uma manifestação artística brasileira. Na verdade, é um sistema de manifestações que envolve profundo nível de sociabilidade e de cidadania”.

O projeto contou com apoio de R$ 3 milhões em recursos não reembolsáveis do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), como resultado da parceria entre o banco, a Fundação Roberto Marinho, a prefeitura do Recife, o governo do estado e outras instituições públicas e privadas.

A pesquisadora informou que além da exposição de longa duração, assinada pela cenógrafa Bia Lessa, o museu tem exposições temporárias, de duração semestral. “Mas, além dessa parte museal, tem cursos de dança e de música e oficinas de adereços, bem como um estúdio de gravação, um programa de pesquisa e um centro de documentação, uma rádio online e todo um processo e projeto de atendimento à comunidade, aos praticantes do frevo e à sociedade de maneira geral”. Segundo a historiadora, trata-se de um fator de inclusão e de reconhecimento da diversidade cultural brasileira.

"O Paço do Frevo é singular, porque congrega no mesmo projeto a preservação do patrimônio histórico material e imaterial. Além disso, vai atrair visitantes para o centro histórico do Recife, contribuindo para sua revitalização, e gerará receitas, por meio de venda de produtos e do estúdio de gravação", acrescentou a chefe do Departamento de Cultura, Entretenimento e Turismo do BNDES, Luciane Gorgulho. Para ela, esse “é o exemplo de projeto de economia da cultura que o BNDES busca apoiar”.

O imóvel que sedia o Paço do Frevo foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 1998 e reformado com recursos do BNDES, que investiu R$ 21,2 milhões, nos últimos 14 anos, em 18 projetos de preservação do patrimônio histórico, arquitetônico e arqueológico de Pernambuco.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Fortaleza: Bombeiros buscam sobreviventes em prédio que ruiu; uma pessoa morreu

ECONOMIA

Pan, BMG e Bradesco lideram ranking de reclamações contra bancos do BC

ECONOMIA

Superintendência do Cade decide arquivar inquérito contra bandeiras de cartões

BRASIL

Quadrilha desviava cartões de crédito remetidos pelos Correios

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião