Mundial de Motocross acontece nos dias 21 e 22 na Capital

Mundial de Motocross acontece nos dias 21 e 22 na Capital
14/08/2010 19:30 -


     

                Além da oportunidade de ver de perto os maiores nomes do Motocross mundial e nacional, o público que comparecer à etapa do GP Brasil terá ainda a chance de assistir aos irreverentes saltos de Gilmar Flores, o Joaninha.

O piloto é tetracampeão da Copa do Brasil de Motocross Freestyle - estilo livre - e suas manobras radicais, com coragem e muita ousadia, costumam fazer o público vibrar. Nascido em Sinop, Mato Grosso, Joaninha é conhecido pelas excelentes variações de saltos nas competições que participa.

Etapa brasileira

O Campeonato Mundial de Motocross terá etapa em Campo Grande nos dias 21 e 22 de agosto. As disputas serão nas categorias MX1 e MX2 do evento mais disputado da modalidade.

A pista, localizada entre o Parque dos Poderes e a avenida Ministro João Arinos, na saída para Três Lagoas, foi totalmente reformulada para garantir melhor visibilidade por parte do público. Segundo a Federação de Motociclismo de Mato Grosso do Sul, é possível acompanhar 90% da prova de qualquer lugar das arquibancadas.

Ingressos

                Estão esgotados os 10 mil ingressos colocados à venda no site oficial do evento. Outras 10 mil entradas estão sendo comercializadas em quatro postos de venda na Capital: nas concessionárias Honda, Covel e Caiobá, lojas Bumerang e posto Trokar. Os ingressos custam R$40, pertencem ao último lote das arquibancadas descobertas e valem para os dois dias de evento. No total, foram disponibilizados 35 mil ingressos ao público.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".