Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Mulher volta a exigir paternidade de Lugo

20 FEV 10 - 12h:44
     

        Da redação

        Uma mulher que no início deste mês tinha desistido de uma demanda de paternidade contra o presidente do Paraguai, o ex-bispo católico Fernando Lugo, retomou nesta sexta-feira, 19, o processo na Justiça, informou seu advogado.

        Hortensia Morán, uma das mulheres que tinha entrado com ação judicial para reconhecimento de paterninade contra Lugo e que, no último dia 2 desistiu do processo, fez nesta sexta uma nova denúncia contra o líder na comarca do município de J. Augusto Zaldívar, nos arredores de Assunção, informou à imprensa o advogado da mulher, Rodrigo Aguilar.

        Aguilar afirmou que Morán retomou esse processo, supostamente, porque o presidente faltou ao compromisso verbal de reconhecer a paternidade do filho da mulher, Juan Pablo, de dois anos de idade, e de pagar a pensão alimentícia.

        A desistência inicial de Morán foi apresentada perante o juiz Osvaldo Cáceres. O magistrado afirmou na ocasião que antes de emitir uma resolução sobre o assunto tinha de notificar o Juizado do Menor e o réu.

        Hortensia Morán, de 40 anos, anunciou em 22 de abril de 2009 que seu filho era fruto de uma relação com o ex-bispo antes de ele chegar à Presidência.

        Apesar de ter afirmado que não tinha intenções de apresentar nenhuma reivindicação judicial, em 4 de novembro desse ano ela se uniu a outras duas mulheres que também alegam ter filhos de Lugo.

        Morán, professora e diretora de uma creche social em Capiatá, a 30 km de Assunção, colaborou durante a campanha eleitoral em uma dos grupos de esquerda que apoiou a candidatura presidencial de Lugo.

        Sua denúncia foi inicialmente negada pelo presidente, que posteriormente, em 16 de dezembro passado, notificou à Justiça que aceitava se submeter a um exame de DNA para determinar se é o pai da criança.

        O caso de Morán tinha se somado ao de Viviana Carrillo, mãe de Guillermo Armindo, menino que já foi reconhecido como filho pelo presidente e que nasceu em 4 de maio de 2007, cinco meses depois que Lugo deixou a Igreja para se dedicar à política.

        O líder enfrentava outro processo apresentado também em abril de 2009 por Benigna Leguizamón, garota de 27 anos com poucas condições financeiras, que em 17 de dezembro desistiu do processo e agora vive em uma casa melhor de Ciudad del Este.  (do Estadão)

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Empresários defendem que preço precisa cobrir custos de transporte
PREÇO TABELADO

Preço mínimo do frete tem que cobrir custos de transporte

PF encontra meia tonelada de maconha em tanque de combustível
APREENSÃO

PF encontra meia tonelada
de maconha em tanque

Clientes de seguradoras podem ficar sem guincho neste feriado
MATO GROSSO DO SUL

Clientes de seguradoras podem ficar sem guincho neste feriado

ALTERAÇÕES

Bolsonaro promete novas regras para porte de armas de fogo

Detalhes sobre o decreto não foram divulgados

Mais Lidas