Mulher mordida por cão de estimação morre após recusar tratamento

Mulher mordida por cão de estimação morre após recusar tratamento
10/08/2012 17:01 - G1


Uma mulher morreu no Reino Unido após ser mordida por seu cachorro e se recusar a ir a um médico por medo de que o cão fosse sacrificado. O ferimento na mão ficou infeccionado e a mulher morreu dois dias depois com septicemia, segundo o jornal britânico “Daily Mail”.

Lesley Anne Banks, de 51 anos, foi mordida por seu rottweiler de 10 anos quando tentava colocá-lo no porta-malas de seu carro. O animal já havia salvado sua dona anteriormente – em 2009, o cão acordou Lesley durante um incêndio, o que permitiu que os dois escapassem.
Com medo de que o cão fosse sacrificado se ela reportasse o ataque, a mulher resolveu tratar o ferimento por conta própria.

Entretanto, o machucado se infeccionou, e Lesley passou a ter diarreia e vômito. Uma amiga chegou a chamar uma ambulância, mas a infecção já estava muito avançada. Ela morreu dois dias depois da mordida.

Lesley já havia sido mordia por seu cão anteriormente, mas nunca havia ficado doente. Ela não era casada e não tinha filhos. Após a morte de sua dona, o animal foi sacrificado.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".