BRASIL/MUNDO

Mulher mata marido com golpes de machado e envia SMS para polícia explicando crime

Mulher mata marido com golpes de machado e envia SMS para polícia explicando crime
14/04/2011 02:50 - r7


A esposa e a enteada do funileiro José Aparecido dos Santos foram indiciadas na terça-feira (12) pela morte dele. O crime aconteceu na madrugada do último domingo (10), no loteamento Vale do Taquari, entre Coxim e o distrito de Silviolândia, em Mato Grosso do Sul.

De acordo com a Polícia Civil, um policial militar recebeu uma mensagem informando que a esposa do funileiro e a sua enteada planejaram e executaram o crime, após a vítima ter ameaçado as duas de morte.

Na mensagem, a enteada escreve que não aguentava mais ser abusada sexualmente pelo padrasto e que, antes do crime, o homem teria ameaçado a mulher e a enteada, “falando que iria manter relações sexuais com as duas”.

Ainda conforme a mensagem, mãe e filha teriam planejado o assassinato

- Eu não quero ser mais capacho sexual de padrasto, ele falou que se eu não fizesse sexo com ele, ele iria nos matar, eu quero viver, por isso, eu sentei na cadeira para conversar com ele e minha mãe desferiu o golpe com o machado.

Apesar do registro de nascimento da jovem constar que José Aparecido é seu pai, ela cita o funileiro apenas como padrasto.

O advogado que representa as mulheres entrou em contato com a 1ª Delegacia de Polícia Civil de Coxim e informou que vai apresentar as suspeitas no município ainda esta semana.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".